Rede atuaria em Catanduva

A Polícia Civil e a Vara da Infância e da Juventude de Catanduva, a 385 km de São Paulo, investigam a participação de pessoas de renome da cidade numa rede de pedofilia que teria abusado de dezenas de crianças em bairros pobres. De acordo com mães das vítimas, as crianças eram assediadas na frente da escola e levadas numa caminhonete de luxo para uma mansão onde eram filmadas e molestadas. A delegada interina da Mulher, Rosana da Silva Vanni, disse que deve ouvir uma das mães hoje. A rede teria relação com o caso do borracheiro José Barra Nova de Melo, de 46 anos, preso em 15 de janeiro, acusado de ter molestado e divulgado imagens pornográficas de 11 crianças. Seu sobrinho, William Melo Souza, de 19 anos, que responde a atentado violento ao pudor contra outra criança, foi libertado nesta semana. Entre as vítimas da rede estariam crianças molestadas pelo borracheiro. Pais de crianças abusadas fizeram passeata de protesto ontem na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.