Reduzida penas de policiais que extorquiam a ?Cracolândia?

Dois ex-investigadores de polícia do Denarc, José Carlosde Castilho, Mauro César Bartholomeu, e o informante Givanildo José de Lima Siqueira Campos, acusados de exigir dinheiro de traficantes que agiam na ?Cracolândia?, na região central de São Paulo em 2001, tiveram as penas abrandadas pelo Tribunal de Justiça (TJ). Os ex-policiais, que haviam sido condenados na 18a. Vara Criminal, a seis anos de reclusão, por crime de concussão(corrupção de funcionário público) tiveram a pena diminuída para quatro anos. O informante Givanildo teve condenação de sete anos reduzida para seis anos. Foi confirmada ainda a perda dos cargos públicos dos dois investigadores. O TJ acolheu parcialmente recurso da defesa e indeferiu a do Ministério Público, que queria aumento das penas e ainda acondenação de todos por crime de tortura contra traficantes. A redução das penas dá aos réus o direito de requererem liberdade condicional, pois estão no presídio da Polícia Civil desde dezembro de 2001. Os advogados de Mauro César, Hélio e Daniel Bialski já se adiantaram e hoje mesmo pediram, à Vara das Execuções Penais, o benefício do regime aberto em favor do ex-policial. O processo ainda não foi encerrado com relação a três outros policiais: Hélio Carlo Barba, Alessandro Ramos da Silva e Guilherme Barbosa Palazzo, que respondem a ação em liberdade. O processo da Cracolândia baseou-se em investigação dos promotores do Gaeco, que combatem o crime organizado, quedurante vários dias observaram e filmaram, secretamente os acusados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.