Reembolso a passageiro é pena 'maquiada', avaliam aeronautas

Medidas anunciadas por Jobim contra o caos aéreo durante as férias são criticadas pelo sindicato nacional

05 de dezembro de 2007 | 12h37

As medidas anunciadas pelo Ministério da Defesa na terça-feira, 4, para evitar uma crise nos aeroportos brasileiros no período da alta temporada irão beneficiar as próprias empresas aéreas, avalia o diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Carlos Camacho. O plano apresentado por Jobim prevê a criação de um sistema de compensação de atrasos de vôos para garantir o ressarcimento aos passageiros lesados, que podem receber até metade do valor pago pela passagem. Passageiro terá até metade do que pagou de voltaPara queixas, mais pessoal e 0800Congonhas: taxa sobe 16.000% Companhia que cancelar 10% dos vôos perderá direito da rota Operação de raio X será terceirizada em São Paulo  Com a medida, as companhias poderão decidir se os consumidores serão ressarcidos em dinheiro, depósito ou crédito junto à companhia aérea (milhas), em caso de atrasos líquidos superiores a 30 minutos, desde que não provocados por fatores externos, como mau tempo. Para o diretor do sindicato, "a partir do momento que ela [a empresa] pode escolher pagar essas multas em dinheiro ou em milhas, evidentemente que elas optarão por pagar em milhas".  O diretor do sindicato afirmou ainda que se for levado em consideração que "mais de 70% dos passageiros só farão uma viagem, essas milhas ficarão nos envelopes nas casas desses passageiros e, com o passar do tempo, elas perdem a validade. Então essa medida até certo ponto é inócua. Isso beneficia com certeza as empresas." Carlos Camacho afirmou que a medida beneficiaria os passageiros apenas se eles tivessem o direito de escolher a forma como seriam ressarcidos. "É uma penalidade maquiada que, no final das contas, beneficia as empresas."  Reajuste Na terça-feira Jobim também anunciou o aumento da tarifação do estacionamento de aeronaves nos Aeroportos de Congonhas e Cumbica, em São Paulo. Para o presidente do sindicato dos aeronautas, a medida não vai prejudicar as empresas, porque os aumentos serão repassados para o consumidor. "Se o desejo é o investimento no setor, de algum lugar tem que sair. Isso não prejudica as empresas, porque elas vão repassar esse aumento para os usuários", afirmou. Jobim afirmou, também na terça, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu ordem para que a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) dê prioridade à reorganização do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Para Camacho, a medida é positiva e é uma forma de desafogar os terminais de São Paulo. "Eu entendo que o presidente e o ministro estão corretos em apontar o Galeão como aeroporto prioritário. Concentrou-se muito o transporte aéreo brasileiro na cidade de São Paulo. Enquanto isso o Galeão foi sendo deixado à esquerda", avaliou. Camacho ainda afirmou que o Brasil deveria estimular o transporte aéreo em todas as regiões. "O ministro tem sim que dividir o Brasil. O país não é só a cidade de São Paulo. Temos que dividir o Brasil em outros pólos para que se possa desenvolver a economia e o transporte aéreo é essencial para o desenvolvimento."  (Com informações da Agência Brasil.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.