Refém é obrigada a ''fugir'' com ladrão e acaba perseguida pela PM

Ele acabou desarmado por casal e preso; no percurso de 55 km, 2 cancelas foram rompidas

Daniela do Canto e Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

17 de janeiro de 2009 | 00h00

A Rodovia Presidente Dutra foi cenário de uma perseguição digna de cinema na noite de quinta-feira. Um ladrão fez dois reféns, percorreu 55 quilômetros, atravessou sete cidades, quebrou duas cancelas de pedágio, mobilizou 28 carros da Polícia Militar e parou por falta de gasolina. Foi rendido pelas próprias vítimas e preso. Tudo isso por sete celulares, um cheque e R$ 27, que havia roubado de duas escolas de idiomas em São José dos Campos, no Vale do Paraíba.A fuga começou por volta das 21h30, quando Davi Brito de Campos, de 22 anos, e uma comparsa escaparam de moto após roubar alunos e funcionários dos cursos de idiomas CNA e CCAA na Avenida Barão de Rio Branco, no bairro Jardim Esplanada. A PM foi avisada, encontrou os dois no mesmo bairro, mas os perdeu de vista.Os bandidos perceberam, largaram a moto e se separaram. Minutos depois, Campos foi visto por policiais no estacionamento do supermercado Carrefour, no km 152 da Dutra. Ao ver que tinha sido encontrado, atirou contra a polícia com seu revólver calibre 38 e rendeu um casal de namorados que chegava de carro ao local. Sentou no banco do passageiro do Corsa, apontou a arma para a cabeça do rapaz, um auxiliar administrativo de 22 anos, e obrigou a moça, uma estudante de 23, a dirigir em direção a São Paulo."Pega a Dutra e não para", disse o ladrão, segundo o auxiliar administrativo que pediu para não ser identificado. Enquanto a estudante dirigia, o namorado estava de joelhos em frente ao bandido, sob a mira da arma."Ele falava que não ia machucar ninguém se a gente tirasse ele dali", contou a moça. A motorista andou em alta velocidade e foi obrigada a passar direto por duas praças de pedágio. "Estouramos as cancelas", relembrou.O carro passou pelos municípios de Jacareí, Guararema, Santa Isabel, Arujá, Itaquaquecetuba e Guarulhos. À medida que a perseguição se desenvolvia, os policiais das cidades eram chamados para dar apoio. "No total tínhamos viaturas de cinco municípios", afirmou o tenente Luís Roberto Moreira, do 1º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM-I).Na altura do km 207, em Bonsucesso, Guarulhos, o combustível acabou. Os mais de 50 policiais que participavam da perseguição cercaram o carro. Nesse momento, as vítimas decidiram reagir. O rapaz agarrou a arma. Em seguida, a namorada usou a mão esquerda para segurar o revólver e o braço direito para tentar apertar o pescoço do ladrão. "Ele mordeu o meu braço", contou a estudante. Os dois conseguiram desarmar o bandido e ele foi preso.Campos foi levado para o 7º Distrito Policial de Guarulhos e indiciado por roubo. Segundo a polícia, ele confessou o roubo, mas não disse quem era a cúmplice. O acusado - que completou 22 anos ontem - já havia sido preso pelo mesmo crime. A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) até ontem não havia encontrado a comparsa nem a moto usada na primeira fuga. Segundo o tenente Moreira, nenhum dos policiais atirou na tentativa de parar o carro para não pôr em risco as vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.