Reforçada segurança em penitenciárias de Presidente Bernardes

A Polícia Militar decidiu manter por tempo indeterminado o reforço de homens e viaturas nas proximidades da Penitenciária 1 (P-1) e no Centro de Readaptação Penitenciário (CRP), ambos em Presidente Bernardes, interior de São Paulo. A continuidade do reforço é para evitar futuras tentativas de resgate de detentos, como a que ocorreu na segunda-feira, quando PMs trocaram tiros com os bandidos e apreenderam armas de guerra e cinco veículos que seriam usados na ação. O reforço foi feito com o aumento de homens que fazem a vigilância nas muralhas internas do CRP e nas ruas próximas deste presídio da P-1. "Colocamos viaturas que fazem rondas 24 horas por dia nas ruas próximas desses locais e nas torres de vigilância da P-1", afirmou a tenente Sílvia Andréia Pinto.Os dois presídios ficam a cerca de 50 metros de distância um do outro. O CRP, onde esteve preso o traficante Fernandinho Beira-Mar, é considerado o presídio mais seguro do País. Sua capacidade é de 160 detentos, mas conta hoje com 130. Ele é um dos cinco presídios do Estado cuja segurança das muralhas é feita pela PM. Nos outros presídios, a segurança é feita por agentes penitenciários.A P-1 tem capacidade para 750 detentos, mas está com 1.012 presos, sendo que 22 deles foram colocados no setor de disciplina, o chamado seguro, porque a cela deles estava com as grades cerradas. A polícia suspeita que foi um deles, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do PCC, quem teria organizado a tentativa de resgate.A ação não deu certo porque antes de chegar perto da P-1, os bandidos foram surpreendidos pelos PMs armados do CRP, que frustraram a tentativa depois de um tiroteio.Hoje, a assessoria da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), disse que o clima na P-1 era "de tranqüilidade" e que tudo corria "normalmente". Segundo a SAP, as celas com grades cerradas foram consertadas e os 22 detentos continuarão no setor disciplinar por tempo indeterminado. Além disso, as visitas não foram suspensas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.