Reforma da Penitenciária de Iperó custará R$ 3 milhões

A reforma da Penitenciária 1 de Iperó, destruída pelos presos na rebelião de segunda-feira, custará ao governo do Estado no mínimo R$ 3 milhões. O prejuízo, no entanto, pode ser bem maior. Nos últimos cinco dias, outras rebeliões danificaram também os Centros de Detenções Provisórias (CDPs) de Itapecerica da Serra, Mogi das Cruzes e Mauá, além das penitenciárias de Franco da Rocha e de Caiuá.Para se ter idéia dos estragos provocados pelos presos em rebeliões, no ano passado foram destruídas as Penitenciárias 1 e 2 de Presidente Venceslau e a de Presidente Prudente , no Oeste do Estado. Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) foram gastos R$ 10.644.708,64 nas reformas dessas unidades.O secretario Nagashi Furukawa disse, em entrevista coletiva, nesta quarta-feira, que a Penitenciária de Iperó sofreu danos consideráveis. Ele acrescentou que dos 1.212 detentos, 308 foram transferidos ontem e outros 294 hoje, totalizando 602 remoções. Na Penitenciária 3 de Franco da Rocha foram feitas 30 transferências e no CDP de Itapecerica da Serra, 25.Furukawa afirmou ainda que os danos também foram grandes no CDP de Itapecerica da Serra. Segundo o secretário, engenheiros da SAP estão concluindo as avaliações técnicas para saber a unidade deve ou não ser desativada para reforma.O secretário, que não descartou a possibilidade de o crime organizado estar por trás da onda de rebeliões, disse que os detentos rebelados envolvidos nas depredações dos presídios vão ser identificados e punidos de acordo com a lei. Nesta tarde, na Cadeia Pública de Jundiaí, cerca de 480 presos iniciaram uma rebelião, fazendo cinco reféns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.