Reforma de pista ampliará horário de Congonhas

O Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, funcionará duas horas a mais durante a reforma da pista auxiliar. O início da obra ainda não foi definido, mas o novo horário do aeroporto será das 5h30 à 0h30. Hoje, funciona das 6 às 23 horas. A proposta foi apresentada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), na quarta-feira, 11, em audiência pública. E, apesar do pedido dos moradores da região para que os vôos não passem da meia-noite, a orientação da Anac foi mantida.´Não concordamos, mas não podemos atrapalhar a reforma. Afinal, os moradores também são usuários do aeroporto´, conformou-se a presidente da associação de moradores de Moema, Lígia Horta. Ela alertou que acompanhará de perto o processo, para que a alteração não se torne permanente. Para a diretora da Anac, Denise Abreu, houve compreensão por parte da população de que a obra é imprescindível. ´Não houve oposição veemente.´O número de pousos e decolagens por hora também deverá cair de 48 para 37, mas não haverá desvios de vôos para outros aeroportos. As operações serão redistribuídas ao longo do dia e nas duas horas extras. ´Vamos coordenar os movimentos, a aviação geral (táxis aéreos, aviação executiva) terá que informar a hora de partida e chegada dos aviões. O que não acontece hoje´, disse Denise.Diariamente são realizados 620 pousos e decolagens em Congonhas. O movimento é maior em quatro períodos - das 7 horas às 7h59, das 16 horas às 16h59, das 18 horas às 18h59 e das 20 horas às 21h59. Apenas os vôos fretados serão transferidos para o Aeroporto Internacional de Guarulhos.A obra deve durar quatro meses, segundo a Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). Mas a interdição total da pista não deve ultrapassar 75 dias. ´Agora vamos sentar com a Anac e definir quando começar. O projeto e a contratação já estão feitos, se definirmos que começa amanhã, estamos prontos´, garantiu o superintendente de engenharia e empreendimento da Infraero, Armando Schneider.O cronograma previa o início da reforma em 1º de fevereiro, mas o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) pediu a transferência para depois do carnaval. A data da obra na pista principal não foi mencionada. São feitos 30% dos movimentos na pista auxiliar.Com 1.495 metros de comprimento, a pista tem fissuras. ´Ela foi construída na década de 50 com bases de concreto que estão rachadas´, explicou o arquiteto da empresa Rogério Barata. Na reforma, orçada em R$ 15 milhões, a pista vai ganhar acostamento, passando de 49 para 54 metros de largura. A camada de asfalto será removida para a recuperação das placas de concreto, o balizamento e o grooving (fissuras no solo para escoar a água) serão refeitos.A obra é considerada indispensável por todos os sindicatos e associação do setor. Mas todos acham necessária a construção de outro aeroporto, pois o terminal São Paulo (que inclui os aeródromos) já está saturado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.