Região de Bananal, na Ilha Grande, é interditada para turismo

Decisão foi tomada pelo governo do Rio de Janeiro, após desabamento que atigiu sete casas e uma pousada

Felipe Werneck,

02 Janeiro 2010 | 15h59

O governo do Estado do Rio interditou para o turismo a região de Bananal, na Ilha Grande, onde um desmoronamento atingiu sete casas e uma pousada deixando, pelo menos, 26 mortos. A informação foi dada neste sábado, 2, pelo secretário estadual de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Cortes, que acompanha os trabalhos de resgate na ilha. A interdição irá perdurar até ser concluído o resgate das vítimas, operação que deve se estender pelos próximos 15 dias. "O medo é que comece a chover forte novamente e isso possa provocar pânico entre os turistas na busca por meios de deixar a ilha", disse Cortes.

 

Veja também:

Governador do Rio visita área de deslizamento

Chuvas ameaçam patrimônio histórico e estradas em SP

Bombeiros encontram 3 corpos soterrados em Guararema

 

A maior parte dos turistas deixou a praia de Bananal antes mesmo da decretação de suspensão do turismo. No início da tarde, poucos permaneciam em apenas duas pousadas. A praia de Bananal não tem acesso tão regular quanto a Vila do Abraão, porta de entrada da Ilha Grande com o continente.

 

O transporte na região da tragédia é escasso e mais caro que a ligação regular de transporte coletivo Mangaratiba-Ilha e Angra-Ilha.Apesar do caráter preventivo, a decisão do governo estadual - que atinge apenas turistas, não os moradores - não agradou a todos. Integrante de um grupo de oito pessoas que viajaram de São Paulo para Bananal, a dentista Silvana Bolsoni reclamava da falta de condições para deixar o local. "Disseram que temos de deixar o hotel. Se derem meios, tudo bem, porque não estamos mesmo fazendo questão de ficar. Mas, nossa passagem de ônibus está marcada para amanhã. Não tem lógica jogar a gente na rua", criticou.

 

Dono da Pousada do Preto, Kiyoshi Nakanashi lamentava a interdição. "Para a gente vai causar prejuízo", disse o empresário, que estava com reservas confirmadas para os próximos dias.

 

O governador Sérgio Cabral anunciou esta tarde também que colocará o Hotel Windsor Guanabara, no Centro do Rio, à disposição dos familiares de vítimas da tragédia em Angra dos Reis. Os parentes vindos de outros estados poderão permanecer no local enquanto resolvem a liberação dos corpos, assim como aqueles que possuem pessoas da família ainda desaparecidas.

 

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), Luiz Zveiter, determinou que os parentes das vítimas não precisarão comparecer ao cartório para autorizar o sepultamento dos corpos, como acontece normalmente. Os familiares devem se dirigir diretamente ao plantão do Fórum para emissão da certidão de óbito. Um carro da Secretaria de Estado de Saúde está à disposição no Instituto Médico Legal (IML) para fazer o transporte até o órgão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.