Região de Campinas realiza campanha contra a dengue

Profissionais da saúde de Campinas, Hortolândia e Sumaré realizam neste sábado, 24, força-tarefa para combater a dengue na região. Só em Campinas o número de casos dos dois primeiros meses do ano aumentou 733,33% em comparação com os dados de 2006. Em janeiro e fevereiro do ano passado, foram registrados 27 casos da doença. Este ano, Campinas teve 225 ocorrências. Nenhum caso de morte foi registrado até o momento. Em Hortolândia, dos 30 casos registrados entre janeiro e fevereiro de 2006 houve aumento de 246,66% nas ocorrências, que chegaram a 104 de janeiro de 2007 até ontem. Em 2006, foram confirmados 281 casos da doença. A Prefeitura de Sumaré não disponibilizou dados do período comparativo, mas os números preocupam as autoridades. Este ano, até ontem, 221 ocorrências tinham sido confirmadas. As regiões mais preocupantes são as que fazem divisa entre os municípios. Segundo informou o secretário municipal de Saúde de Campinas, José Francisco Kerr Saraiva, a megaoperação contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, ocorrerá na região norte da cidade. Só em sete bairros dessa região foram registrados 67 dos casos deste ano. "As ocorrências estão onde existe degradação ambiental, muito lixo, entulho, áreas com muitos recipientes com água, falta de água encanada, invasões, assentamentos, infra-estrutura precária. A grande preocupação é porque dengue mata. E mata a população mais vulnerável", disse Saraiva. O secretário afirmou que a prefeitura esperava um aumento no número de casos, por causa do grande volume de chuvas deste ano. "Mas o que mais preocupa é que é possível prevenir-se contra a dengue e, mesmo assim, há esse número de casos. Não é uma situação fora de controle, porque trabalhamos o ano todo, mas preocupa." A força-tarefa envolverá pelo menos 400 funcionários das prefeituras para limpeza dos locais e orientação da população, e ocorrerá do início da manhã até o começo da tarde deste sábado.

Agencia Estado,

23 Fevereiro 2007 | 16h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.