´Rei do Coco Verde´ é preso por homicídios em Aguaí

Agentes do Departamento de Investigações de Narcóticos de São Paulo (Denarc) prenderam neste fim de semana o comerciante Jeneton Alves de Mesquita, de 33 anos, conhecido como o ´Rei do Coco´, em Aguaí, na divisa de São Paulo com Minas Gerais. Jeneton é acusado de seis homicídios e suspeito em outros 50. O comerciante foi preso numa luxuosa casa, onde os policiais apreenderam dois revólveres calibre 38, um deles com numeração raspada. Foragido desde 1996, Jeneton, com fama de matador, ameaçava distribuidores de coco verde e cobrava de R$ 100 a R$ 300 de cada caminhoneiro que descarregava carga na região do Mercado Municipal Central, no centro da capital paulista. "As investigações mostram que ele é uma pessoa perigosa, suspeito de dezenas de homicídios, que pratica extorsão de dinheiro na região central mediante ameaça contra os caminhoneiros do comércio de coco verde", afirmou o diretor do Denarc, Everardo Tanganelli Júnior. "Ele já tem quatro mandados de prisão por homicídio em São Paulo e na Paraíba." A existência da Associação dos Distribuidores de Coco Verde de São Paulo, da qual Jeneton era presidente, é marcada por disputas pelo comando da entidade e por histórias de assassinatos, atribuídos à máfia do coco. Em 2002, o camelô Gilberto Monteiro da Silva, de 37 anos, foi morto com nove tiros ao chegar na entidade.

Agencia Estado,

12 Fevereiro 2007 | 16h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.