Reincidência de adolescentes no crime aumenta em SP

O número de adolescentes em liberdade assistida que reincidem no crime tem crescido nos últimos anos no Estado de São Paulo.Uma parte deles acaba voltando às unidades de internação da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). Outros, que já completaram 18 anos, vão parar no sistema penitenciário. Entre maio de 1996 e maio de 1997, 407 jovens que estavam em liberdade assistida na capital paulista voltaram à Febem, e outros 24 foram presos. De maio de 1999 ao mesmo mês de 2000, esses números subiram, respectivamente, para 858 e 80.A falta de perspectivas, envolvimentos com drogas e gangues e as deficiências do sistema de ressocialização são apontadas por especialistas como algumas das causas do problema. O número de jovens assassinados enquanto cumprem a liberdade assistida também aumentou. De maio de 1996 a abril de 1997, a média mensal era de 7,8. De maio de 1999 a abril do ano passado, o índice quase dobrou: 15,3. Nesta terça-feira, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que jovens do interior do Estado, recolhidos nas unidades da Febem da capital, serão transferidos para suas cidades. Ele informou que até julho o Estado vai inaugurar internatos em 15 cidades, com capacidade para até 70 adolescentes cada um. Está prevista a entrega de outros sete até o fim do ano. Segundo Alckmin, os prefeitos estão mudando de comportamento e já aceitam cuidar dos menores de suas cidades. "Começamos com São José do Rio Preto e os resultados têm sido muito bons." O governador reafirmou que a Febem de Parelheiros, instalada num antigo presídio na zona sul, será desativada ainda este mês. O prédio será devolvido à Secretaria de Estado da Administração Penitenciária.Já a área onde funcionava a unidade Imigrantes, palco da maior rebelião da história da Febem, em 1999, será transformada no Parque das Águas do Ipiranga.Técnicos da Universidade de São Paulo (USP) estão preparando o projeto. "A próxima etapa será criar outro parque na unidade Tatuapé, onde hoje estão mil adolescentes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.