Reino Unido quer pós para visto de trabalho

Governo pretende barrar entrada de milhares de estrangeiros

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

23 Fevereiro 2009 | 00h00

O Reino Unido quer barrar milhares de trabalhadores estrangeiros, inclusive brasileiros. Londres anunciou ontem que exigirá, a partir de abril, que imigrantes de fora da Europa que queiram obter visto de trabalhador qualificado na Inglaterra tenham ao menos título de mestrado. A medida está sendo adotada diante da pior crise econômica no país em 60 anos e de protestos violentos de trabalhadores ingleses contra imigrantes. Um novo pacote também está em estudo para limitar a entrada de estrangeiros e é mais um na lista de ações dos governos europeus contra a imigração.As medidas foram anunciadas pela secretária de Justiça do Reino Unido, Jacqui Smith, em entrevista à BBC. A medida mais drástica é a de apenas conceder vistos de trabalho aos estrangeiros para setores que provem não contar com mão-de-obra suficiente no país. Assessores da secretaria de Justiça no Reino Unido confirmaram ao Estado que as medidas, em avaliação, atingirão brasileiros. Londres enfrentou uma greve de trabalhadores há um mês. Eles se queixavam da contratação de italianos e espanhóis em uma usina de energia. Pelas regras da União Europeia, não há como barrar esses estrangeiros. Mas, com o Partido Nacional Britânico - de extrema-direita - ganhando popularidade por defender trabalhadores ingleses, o governo já estuda formas de pelo menos barrar os estrangeiros de fora da Europa. A meta é passar a dar apenas 14 mil vistos de trabalho para estrangeiros altamente qualificados a partir de abril. Em 2008, 26 mil estrangeiros receberam esse visto. Para reduzir esse número quase pela metade, a estratégia é exigir pelo menos um mestrado dos candidatos, e não apenas título de bacharel. Além disso, o salário oferecido no Reino Unido terá de pagar pelo menos 20 mil libras.Para os trabalhadores menos qualificados que queiram entrar no Reino Unido, as exigências poderão aumentar. O objetivo é cortar o número de vistos de 80 mil por ano para algo entre 20 mil e 40 mil. Para isso, a empresa que quiser contratar um estrangeiro terá de oferecer a vaga durante duas semanas ao serviço britânico de empregos. O estrangeiro somente ganharia o visto e seria contratado se a vaga não for preenchida por um inglês.O número de estrangeiros trabalhando no Reino Unido foi de 3,8 milhões em 2008, enquanto o desemprego atingiu 2 milhões de pessoas no país. "Assim como numa época de crescimento, nós precisamos dos imigrantes, é certo que em uma recessão tenhamos de ser mais seletivos sobre os níveis de qualificação desses imigrantes e fazer mais para priorizar os trabalhadores ingleses", disse a secretária.O pacote de medidas ainda poderá incluir restrições às famílias de imigrantes que recebam o visto. Para a secretária, está na hora de o governo se perguntar qual é a contribuição que essas famílias geram para a economia do país. Segundo ela, porém, o governo ainda não tomou uma decisão sobre o que fará com as famílias dos trabalhadores.O Partido Conservador criticou o anúncio e alegou que as medidas ainda são tímidas demais. Para Damian Green, porta-voz do partido para temas de imigração, o governo precisa estabelecer um limite anual de vistos dados aos estrangeiros, além de maior controle nas fronteiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.