Relatório da PF mostra ação de Tuma Jr. para liberar contrabando de chinês

Operação Wei Jin. O secretário nacional de Justiça é suspeito de ter usado o cargo para favorecer negócios ilegais de Fang Ze, integrante do esquema de Paulo Li, que é apontado pela Polícia Federal como um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo

Rodrigo Rangel, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2010 | 00h00

Relatório de inteligência da Polícia Federal obtido pelo Estado coloca o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, como suspeito de ter usado o prestígio do cargo para liberar mercadorias apreendidas de um chinês investigado por contrabando e evasão de divisas.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifLobby de Tuma Júnior não garante emprego a 'genro'

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/audio_azul.gifOuça aqui a gravação da conversa interceptada pela PF

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifBlindagem já enfrenta oposição no Planalto

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPaulo Li trabalhou na Assembleia na época do secretário

 

A suspeita é baseada numa sequência de telefonemas em que Tuma Júnior e seu braço direito no Ministério da Justiça, o policial Paulo Guilherme Mello, o Guga, tratam de assuntos de interesse do chinês Fang Ze, apontado nas investigações como integrante da rede de negócios de Li Kwok Kwen, ou Paulo Li, o homem que a PF diz ser um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.

O relatório de inteligência aponta "possível comprometimento de Romeu Tuma Júnior com Fang Ze". E diz que o secretário se vale do assessor Mello "para resolver eventuais problemas que lhe possam incriminar". A PF sustenta que, a mando de Tuma Júnior, Mello fez contato com o Fisco de São Paulo para liberar mercadorias de Fang Ze. As conversas sobre o assunto foram interceptadas com autorização da Justiça.

Num dos diálogos, em 2 de julho do ano passado, Mello telefona para um servidor de nome Ricardo e cobra uma solução para o caso: "Eu tô aqui com o chefe, ele tá me cobrando aquele... aquela posição daquele negócio lá, rapaz, do... que eu te pedi lá com o inspetor lá". "Qual? Do japonês lá não sei o quê?", pergunta o funcionário.

O assessor de Tuma volta a telefonar. Dessa vez, passa o nome da empresa de Fang, a V-Top Decorações, e seu CNPJ. "Esse aí você já tinha pedido pra ver?", indaga Ricardo, indicando que essas ações eram corriqueiras.

Em seguida, Mello cita o secretário nacional de Justiça como interessado na liberação das mercadorias. "Você me ligou, me apresentou pro cara lá, ainda cê falou que era pedido do Tuma, aí o chefe tá me atazanando a vida aqui", diz o assessor do secretário, que relata o problema: "De fato eles suspenderam e tudo, mas não devolveram o material do cara". Ricardo promete cuidar do assunto. "Vou dar uma olhada, então."

O Estado identificou o funcionário como Ricardo de Mello Vargas, delegado de Polícia Civil lotado na Divisão de Crimes Contra a Fazenda. Indagado sobre os diálogos, ele confirmou ter recebido o pedido, mas negou ter solucionado, como queriam Tuma e o assessor. "Sempre falo que vou ver, mas não faço nada. Nem conheço esse chinês." Num dos contatos, o delegado usa o telefone da Secretaria Estadual de Fazenda, onde funciona a divisão.

Determinação. A PF define assim a sequência de conversas: "No diálogo travado entre Guilherme e Ricardo, o primeiro diz que está atendendo a determinação de seu chefe - Romeu Tuma Júnior -, haja vista que Fang Ze teve bens apreendidos e desejava sua liberação."

"Pode-se concluir que Fang Ze provavelmente sofreu ação do Fisco do Estado e pediu a interferência de Romeu Tuma Júnior, o qual determinou que Guilherme o fizesse, no sentido de obter a liberação de seus bens apreendidos", diz o relatório.

O documento faz menção a diálogos que ligam o secretário diretamente a Fang. Numa das conversas, a secretária de Tuma Júnior diz: "... Ele pediu para ligar para o senhor (Fang) que ele vai estar em São Paulo este final de semana e quer saber se o senhor pode encontrar com ele." Em outro diálogo, é o próprio Tuma quem combina um jantar do qual participariam Fang Ze e Paulo Li. Procurado ontem pela reportagem, Tuma Júnior não quis dar entrevista.

Pedido

LUIZ PAULO BARRETO

MINISTRO DA JUSTIÇA

"Conversei com o diretor-geral e fiz um ofício solicitando informações, a fim de poder avaliar melhor esse inquérito"

OUTROS DIÁLOGOS INTERCEPTADOS

2 de julho de 2009

17h43min35s

O policial Paulo Guilherme Mello telefona para Ricardo, um funcionário do Fisco, para resolver um problema do chinês Fang Ze.

Mello - Eu tô aqui com o chefe (Tuma Jr.), ele tá me cobrando aquele... negócio lá (...)

Ricardo - Qual? Do japonês lá não sei o que? (...)

Mello - É aquele lá do shopping, do Shopping Norte.

Ricardo - Tá, eu sei, mas não vou lembrar, cê tem que... você tem que me passar (...)

3 de julho de 2009

11h44min41s

Mello telefona para Ricardo, para repassar os dados da empresa de Fang Ze. Desta vez, cita Tuma nominalmente.

Mello - Oh Ricardão (...)

Ricardo - Cê tem o nome lá?

Mello - Tenho. Tenho nome e CNPJ. É V.Top... é... V.Top (...)

Ricardo - Pronto.

Mello - Ah?

Ricardo - Esse aí cê já tinha pedido pra ver?

Mello - Não, eu fui com você, você me ligou, me apresentou pro cara lá, ainda cê falou que era pedido do Tuma, aí o chefe tá me atazanando a vida aqui.

Ricardo - Vou dar uma olhada então.

Mello - Porque de fato o procedimento ele suspenderam e tudo, mas não devolveram o material do cara (...)

6 de julho de 2009

12h54min59s

Tuma Jr. pede a outro auxiliar, Luciano Pestana, que entre em contato com Fang Ze, a quem, segundo a PF, eles chamavam pelo codinome Tomas.

Tuma Jr. - O Tomas te entregou o negócio aí, não?

Pestana - Não encontrei com ele. Ele não veio, nem o Paulinho (segundo a PF, é Paulo Li)

Tuma Jr. - Dá uma ligada pra ele, pede pro Guilherme ligar. Que deu um problema no computador que ele pegou pra mim, pedi pra ele te entregar que cê ia trazer hoje.

Pestana - Já tô ligando. Positivo. Aqui tudo sob controle, tudo tranquilo, viu chefe?

Tuma Jr. - Belezinha.

Conselho

O ex-ministro da Justiça Tarso Genro confirmou que foi procurado por Tuma Jr. - que lhe disse estar sendo grampeado pela PF - e que o aconselhou a procurar a PF para prestar esclarecimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.