Relatório de 2006 associa sensor a risco de queda

Estudo da fabricante aponta que falha em pitot poderia provocar acidente

Andrei Netto, PARIS, O Estadao de S.Paulo

31 Julho 2009 | 00h00

Um documento técnico produzido pelo Advanced Air-Data Equipment for Airliners (Adeline) - um programa europeu de desenvolvimento tecnológico que contava com a participação da Thales Avionics S.A., fabricante de tubos de pitot - admitia já em 2006 o risco de queda de aeronaves em caso de perda das informações de velocidade durante um voo. A falha foi a primeira indicada pelas mensagens automáticas enviadas pelo Airbus A330 da Air France que caiu no Atlântico, em 31 de maio. De acordo com o texto, em caso de congelamento das sondas, uma das hipóteses da queda, o risco é ainda maior. Desde o desastre do vôo 447, dirigentes da Air France e peritos do Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA) têm repetido que a perda das informações de velocidade foi verificada, mas não necessariamente seria a causa da queda. A Thales jamais se pronunciou sobre o tema nem tinha admitido riscos de panes nos equipamentos que fabrica. O relatório, assinado pela Thales e por outras organizações, reconhece o risco criado pela eventual falha dos sensores. "Esses equipamentos geram parâmetros vitais para a segurança de voos, como velocidade do ar, ângulo de ataque e altitude." E prossegue: "A perda desses dados pode causar a queda de um avião, em especial em caso de congelamento das sondas." O objetivo do projeto, copatrocinado pela Comissão Europeia, era desenvolver pesquisas para reduzir em 50% o valor de produção de equipamentos como os sensores de velocidade. Procurada para se pronunciar, a Thales não respondeu. A revelação das sucessivas falhas de pitots vem aumentando a pressão sobre os órgãos de controle da aviação civil. Ontem, o diretor de Comunicação da Agência Europeia de Segurança da Aviação, Daniel Hoeltgen, confirmou que uma ordem de substituição de todos os sensores pode ser publicada, se uma investigação determinar. O Sindicato Nacional de Pilotos de Linha (SNPL), que reúne 70% dos comandantes da França, tem pedido à Air France que troque os sensores da Thales pelos da Goodrich, desde que veio à tona o caso de um A320 que teve problemas num voo entre Roma e Paris, no dia 13. O avião já tinha os novos modelos de sensores BA, em tese mais resistentes a congelamento. Em nota, a Air France reafirmou a segurança dos aviões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.