Relatório final da CPI das Milícias acusa 150 pessoas, incluindo políticos

O relatório final da CPI das Milícias da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), aprovado ontem por unanimidade pelos integrantes da comissão, acusa 150 pessoas de envolvimento com o crime. Entre elas estão o deputado estadual Natalino José Guimarães (sem partido), seu irmão, o vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho (PMDB), e o ex- chefe de polícia e deputado cassado Álvaro Lins. Dois vereadores eleitos, o sargento bombeiro Cristiano Girão (PMN) e a filha de Jerominho, Carminha Jerominho (PTdoB), também são citados. Entre as propostas apresentadas, segundo o presidente da CPI, deputado Marcelo Freixo (PSOL), estão retirar a arma dos bombeiros (entre os acusados há vários deles) e tornar crimes a formação de currais eleitorais e o uso abusivo de centros sociais. A CPI funcionou por 150 dias e ouviu 47 pessoas. O Disque-Milícia contabilizou mais de 1.062 denúncias e mapeou 170 áreas controladas por milicianos. Também aparece no relatório o nome do ex-PM Ricardo Cruz, o Ricardo Batman, que fugiu do Presídio Bangu 8 no fim do mês passado. Ontem, a polícia indiciou seis agentes penitenciários por terem facilitado a fuga. O relatório da CPI deverá ser votado no plenário da Alerj até o fim do mês e encaminhado ao Ministério Público, ao governo do Estado e à Secretaria de Segurança Pública.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.