Divulgação
Divulgação

Relembre outros casos de protestos do MST contra transgênicos

MST ocupou nesta quinta-feira a FutureGene, empresa de pesquisa da Suzano Papel e Celulose, localizada em Itapetininga

O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 15h51

Cerca de mil mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) ocuparam na manhã desta quinta-feira, 5, a FutureGene, empresa de pesquisa da Suzano Papel e Celulose, localizada em Itapetininga, no interior de São Paulo. 

Segundo informações do MST, em seu site, no local da ocupação estariam sendo desenvolvidos testes com o eucalipto transgênico, conhecido como H421.


Relembre outras ocupações e manifestações contra os transgênicos

1 - Ponta Grossa

Em maio de 2013, cerca de 150 integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) invadiram uma estação experimental da Monsanto em Ponta Grossa, a 120 quilômetros de Curitiba, na região sul do Paraná. Os cinco funcionários da fazenda foram expulsos do local. Na semana anterior, a mesma fazenda havia sido invadida por cerca de 800 participantes da 2ª Jornada de Agroecologia, para a destruição dos campos de teste de milho transgênico.

2 - Santa Cruz das Palmeiras

Um grupo de mulheres da Via Campesina e do MST invadiu em março de 2008 uma unidade de pesquisa da empresa Monsanto, localizada em Santa Cruz das Palmeiras, município do interior de São Paulo, na região de Ribeirão Preto. Elas cortaram a cerca, renderam e amarraram o porteiro e depois destruíram  um viveiro e o campo experimental de milho transgênico da empresa.  Antes de sair, elas picharam as paredes da guarita de entrada com expressões como  “mulheres em luta” e “transgênico mata”.

3 - Santa Tereza do Oeste 

Cerca de mil integrantes da Via Campesina - a maioria deles ligada ao  Movimento dos Sem-Terra (MST) - invadiram em março de 2006 o campo  experimental de sementes da multinacional Syngenta Seeds, em Santa Tereza do Oeste, a 520 quilômetros de Curitiba. Os agricultores pediam a interdição, o embargo e a autuação da empresa por fazer pesquisas com sementes geneticamente modificadas em área de amortecimento do Parque Nacional do Iguaçu. 

4 - Rio de Janeiro

Em março de 2004, seguranças do Consulado dos Estados Unidos no Rio e policiais militares foram atingidos por sementes e espigas de milho jogadas por manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), no centro do Rio. O protesto era contra o "lobby da Monsanto" no Senado. 

5 - Belo Horizonte

Em maio de 2001, integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) concentraram-se na porta do McDonald´s, na Praça Sete, centro de Belo Horizonte, protestando contra o uso de produtos transgênicos. O McDonald´s decidiu retardar a abertura da loja para evitar confrontos. De acordo com um dos coordenadores do MST em Minas, Aguinaldo Batista, o protesto foi realizado para alertar a população sobre o uso dos transgênicos não só na produção de sanduíches da rede de fast-food quanto sua presença nas prateleiras dos supermercados. Batista alega que ainda não foi determinado se os produtos transgênicos causam ou não danos à saúde. 

Mais conteúdo sobre:
MSTtransgênicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.