Religiosidade e emoção marcam a saída do bloco Ilê-Aiyê

Como nos último 33 anos, a saída do mais antigo bloco afro do País, o Ilê-Aiyê, do Curuzu foi cercada de religiosidade e emoção no seu primeiro desfile, este ano, no Circuito Osmar (Campo Grande), em Salvador. O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), o prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro (PDT), a ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, a atriz e apresentadora Regina Casé, entre outras personalidades, participaram do evento, que teve início pouco antes das 22 horas (23 horas de Brasília). "Mesmo sendo judeu, para mim é um grande orgulho participar desta manifestação", disse Wagner. Seguindo a tradição, os integrantes do cortejo reuniram-se na porta da casa de Mãe Hilda, de 82 anos, guia espiritual do bloco e mãe de Vovô, presidente da entidade. Aos poucos, o local foi tornando-se palco de uma grande festa musical. Mãe Hilda fez orações em iorubá - língua falada na África Subsaariana, em especial em regiões da Nigéria -, pedindo paz e proteção no carnaval. A cerimônia deste ano homenageou Oxalá, o senhor dos orixás. Em seguida, os cerca de quatro mil integrantes do cortejo subiram a Ladeira do Curuzu para ganhar a avenida, proporcionando um dos mais belos espetáculos de tradição e cultura do carnaval soteropolitano.

Agencia Estado,

18 Fevereiro 2007 | 05h22

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.