Remédios: Laboratório notificado por uso indevido de marca

O Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe) advertiu, hoje, através de notificação extra-judicial, a empresa Roberg Alimentos e Medicamentos da Natureza, de Votorantim (São Paulo), por uso indevido da marca Lapachol, que o laboratório pernambucano detém desde 1978. Desde então, a estatal vem renovando o registro de marca, cuja última concessão data de 9 de setembro de 2003, com validade de 10 anos.Se a empresa insistir no uso da marca, o Lafepe entrará com uma ação pedindo indenização por lucro cessante, de acordo como advogado Eduardo Montenegro Serur, consultor jurídico do laboratório pernambucano. ?O laboratório tem o direito de proteger a sua marca e evitar o seu uso indevido?, afirmou ele.Lapachol é o nome do princípio ativo naftoquinona, produto extraído do ipê roxo, usado como antiinflamatório, analgésico,antibiótico e principalmente como antineoplásico, no combate ao câncer (também combatendo tumores benignos). O medicamento é oferecido pelo Lafepe desde 1969, em parceria com o departamento de Antibióticos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).São produzidas 100 mil cápsulas de 250 mg cada por ano pelo Lafepe, em caixas contendo 100 unidades. O remédio éfornecido também para outros Estados, como Rio, São Paulo, Minas Gerais e Paraná.De acordo com o Lafepe, a Roberg vem anunciando como novidade a descoberta do lapachol no tratamento contra o câncer paraa redução dos efeitos colaterais da doença e vem divulgando o estudo ? que teria sido iniciado há três anos - em jornais erevistas nacionais, veículos através dos quais o Lafepe tomou conhecimento do uso da sua marca. A pesquisadora do Instituto deAntibióticos da UFPE, Janete Magali de Araújo frisa que os estudos do princípio ativo da naftoquinona tiveram início em 1956 com o professor da UFPE Oswaldo Gonçalves de Lima. Em 1969 foi realizado convênio entre a UFPE e o Lafepe e o laboratóriocomeçou a produzir e comercializar o lapachol, como auxiliar no tratamento do câncer. Os estudos sobre o assunto prosseguemna universidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.