Renan prega a união dos políticos pela governabilidade

O senador Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado, pregou a união das forças políticas da situação e da oposição em torno do presidente eleito, para garantir a governabilidade e ajudar o Brasil a superar os problemas sociais. "Eu acho que esse deve ser o objetivo de todos, buscar todo mundo em defesa dos interesses do país, da agente do crescimento, da geração de emprego e renda, no combate às desigualdades regionais e sociais", afirmou Renan, que declarou voto em Lula e disse que acreditava na vitória do candidato do PT. Ele estava acompanhado do senador Teotônio Vilela Filho, governador eleito de Alagoas, pelo PSDB. Renan tinha o adesivo de Lula colado no peito e Vilela estava com o adesivo de Alckmin."Apesar das nossas diferenças, em ternos de candidatura presidencial, nós estamos juntos por Alagoas", afirmou Vilela, que foi eleito governador de Alagoas, derrotando o deputado federal João Lyra (PTB), com o apoio de Renan. Os dois deixaram claro que independente de quer que vença a eleição, vão cobrar do presidente eleito a renegociação da dívida de Alagoas com a União, que hoje chega a R$ 5,8 bilhões e compromete por mês mais de 15% da receita líquida do Estado. Só este ano, Alagoas vai gastar R$ 400 milhões com o pagamento da dívida. Para Renan, o segundo turno foi importante porque deu oportunidade para que os dois candidatos - Lula e Alckmin - debatessem melhor os problemas do País, defendessem de forma mais clara suas posições e seus pontos de vista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.