Renovada prisão de suspeitos da morte de Toninho

As prisões temporárias de Anderson Rogério Davi, de 20 anos, e Flávio Mendes Clara, de 19, acusados da morte do prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos, o Toninho, foram renovadas hoje pela Justiça. O delegado seccional Osmar Porcelli disse que optou por renovar as temporárias, no lugar de pedir prisão preventiva, porque espera localizar a arma utilizada no crime, uma pistola nove milímetros, nos próximos 30 dias. "Eu teria elementos para pedir a preventiva e ela seria concedida, mas espero reforçar as acusações contra os suspeitos, inclusive com a arma. Temos um segmento de investigação que pode levar à pistola", disse o delegado. Ele explicou que o pedido de prorrogação da temporária de Globerson Luiz da Silva, de 19 anos, também já está pronto, mas deverá ser entregue à Justiça mais perto do vencimento da atual. Silva foi detido no dia 17 do mês passado, sob temporária de 30 dias. As de Davi e Mendes Clara vencem, respectivamente, nos próximos dias 6 e 10. Todas serão renovadas por mais 30 dias. Um quarto acusado, o menor A.S.C., de 17 anos, permanece sob custódia da Vara da Infância e da Juventude. Porcelli comentou que a polícia está ouvindo testemunhas sobre a moto Honda Titan lilás (azul, no certificado), que pode ter sido usada no assassinato, em 10 de setembro passado. A moto foi apreendida no dia 23 de setembro, pilotada por um menor e com a documentação irregular. Desde então, permanecia no pátio da Ciretran. A polícia chegou à Titan na semana passada, depois de investigações sobre as motos do crime. Porcelli disse que hoje foi ouvido o menor que pilotava a moto no dia da apreensão. Ele indicou o atual proprietário, que será ouvido na próxima semana. "Tenho três testemunhas que poderão indicar por quem estava sendo usada a Titan", disse. Outra moto, uma Honda CG vermelha e preta, também está detida sob investigações. A moto pertencia a Silva. Ele havia dito, em seu depoimento, que a tinha vendido um ano antes do crime do prefeito. A polícia tem testemunhas que confirmam que ela foi trocada por um Chevette três dias após o crime ter ocorrido. "Com essas informações, o inquérito está sendo amarrado", afirmou o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.