Repressão minou apoio a Getúlio Vargas na região

De sandálias de dedo, o agricultor Gilmar Rogério Wendel, 35 anos, divide o tempo entre a colheita e a prensa de folhas de fumo e as pesquisas sobre a história dos barbudos. Morador de Coloninha, povoado de Arroio do Tigre, um dos palcos da revolta, ele juntou amigos e parentes e filmou o curta "O Grito de Bamo", uma alusão ao "Bamo" (Vamos!) dos líderes do movimento. Os 15 minutos do filme dividiram os moradores. Muitos não gostaram da visão positiva dos barbudos. O diretor do curta interpretou Deca França.

, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2010 | 00h00

"Pelo que pesquisei, o corpo dele foi picado, esquartejado, antes de ser enterrado. Ainda jogaram pedras por cima." Além dos líderes Tácio e Deca, foram mortos pela repressão os barbudos Benjamim, Antônio Vital e Júlio Cabeça e uma criança durante o ataque a Boa Vista. ''A História passa o rodo nessa história que brota do povo'', reclama.

A cúpula dos barbudos foi dizimada, mas a revolta deixou consequências: fontes de água e matas consideradas sagradas foram preservadas pelos descendentes dos rebeldes, a figura do bodegueiro desapareceu e os agricultores passaram a negociar direto com as indústrias de cigarro. A repressão também minou o mito em torno de Getúlio Vargas nos povoados da região gaúcha de Centro Serra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.