Resgate chega a mil horas e acha novos destroços

A operação de buscas completa hoje mil horas de voo sem que nenhum novo corpo tenha sido avistado em quatro dias. Para se ter uma comparação, durante toda a enchente em Santa Catarina, em 2008, os voos da FAB somaram 460 horas. Apenas novos destroços - em quantidades e tamanhos não informados - foram visualizados a 950 km do Arquipélago de Fernando de Noronha, na região fronteiriça entre a área de jurisdição do espaço aéreo do Brasil e de Dacar (Senegal) e a cerca de 100 km da região central de buscas. Acompanhe todos os detalhes das operações de resgateO comando militar reiterou, porém, que a operação continuará por tempo indeterminado, numa força-tarefa que envolve mil homens - 671 da Marinha - além de 13 aviões - 2 franceses. A Marinha brasileira conta com cinco navios nas operações de resgate e integrará mais dois às buscas nesta semana. A Fragata Bosísio, que transporta os últimos seis corpos resgatados pelo Navio Mistral da Marinha francesa, deve chegar hoje a Fernando de Noronha.Os corpos serão levados ao arquipélago e depois seguirão para o IML do Recife, para exames de necropsia. Até o momento, segundo a Secretaria de Defesa Social, não foi feita nenhuma identificação dos cadáveres. Quando isso ocorrer, as famílias serão informadas. A Air France desativou no domingo o centro de informações aos familiares no Hotel Windsor Guanabara, no centro do Rio. Os parentes serão informados das operações por telefone.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.