Roberta Bourguignon
Roberta Bourguignon

Responsáveis por carreta envolvida em acidente no ES podem responder por homicídio culposo

Levantamento preliminar aponta que os pneus do veículo estavam carecas

Vinícius Rangel, especial para O Estado

23 de junho de 2017 | 14h24

VITÓRIA - Os donos da carreta que teria causado o acidente na BR 101, em Guarapari, no Espírito Santo, e matou 21 pessoas na quinta-feira, 22, podem ser indiciados pelo crime de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, assim que o inquérito for concluído, de acordo com o chefe da Polícia Civil, Guilherme Daré. 

O delegado disse que o caso está sendo investigado pela Delegacia de Infrações Penais e Outras (DIPO) da Cidade. Daré afirmou que, se constatada alguma responsabilidade por parte da empresa, eles responderão criminalmente. Na tarde desta sexta-feira, 23, proprietários serão intimados para prestar depoimento.

O secretário de Segurança Pública do ES, André Garcia, disse que as investigações começaram imediatamente após a fatalidade.

"O levantamento preliminar aponta falha mecânica no caminhão. Teria furado um pneu. Todos os pneus do veículo estavam carecas, em péssimas condições. Teria quebrado algum eixo e ele invadiu a contramão da pista, atingindo o ônibus. As investigações continuam, e se as nossas equipes identificarem os culpados, vamos responsabilizá-los criminalmente", explicou Garcia.

A carreta carregava uma pedra de granito pesando 41 toneladas, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). São 11 toneladas acima do permitido, que é 30. Além das péssimas condições dos pneus, denunciadas pela perícia da Polícia Civil, a PRF afirmou ainda que nenhuma das quatro balanças existentes na BR 101 está em funcionamento. A informação foi repassada pelo superintendente do órgão no Estado, Wylis Lyra. 

A empresa responsável pelo veículo é a Jamarle Transportes, situada na Cidade de Baixo Guandu, no Noroeste capixaba. Ela poderá ser multada em quase R$ 5 mil. A reportagem do Estado tentou contato com a transportadora, mas os telefonemas não foram atendidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.