Corpo de Bombeiros Militar de Minas/Divulgação
Corpo de Bombeiros Militar de Minas/Divulgação

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Responsável por localizar vítimas de Brumadinho e Mariana, cão Thor morre em MG

Da raça border collie e integrante do Corpo de Bombeiros de MG, Thor tinha 5 anos e 2 meses; animal morreu no sábado, 26. Em MG, 11 cães auxiliam homens durante resgates

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2019 | 22h18

SÃO PAULO - O border collie Thor, de 5 anos e 2 meses, era especialista em localizar pessoas desaparecidas. Integrante do Corpo de Bombeiros Militar de Minas, fazia parte da equipe de busca, resgate e salvamento com cães e participou de grandes ocorrências, entre elas o rompimento das barragens de  Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em janeiro. 

O cão morreu no último sábado, 26, vítima de uma infecção generalizada relacionada a um quadro de pancreatite (inflamação no pâncreas). Também tinha diagnóstico de leishmaniose, doença provocada por parasita. "Graças à atuação dele, inúmeras famílias puderam ter seus entes queridos localizados e velados. Thor era considerado uma referência nacional na localização de pessoas desaparecidas", diz nota de pesar dos Bombeiros, publicada nesta segunda-feira, 28.

"Thor estava recebendo tratamento médico veterinário desde o início do aparecimento dos sintomas, mas devido à rápida evolução do quadro, não resistiu e teve seu óbito atestado no sábado", afirma o comunicado. "A família Bombeiro Militar encontra-se consternada e enlutecida pela perda desse integrante que nunca foi considerado como apenas um cão e sim como um Bombeiro Militar que verdadeiramente era." 

Além das tragédias de Mariana e Brumadinho, Thor participou de outras grandes ocorrências. Entre elas, o desaparecimento do esportista francês Gilbert Eric Welterlin e o desabamento de edificações no bairro Mantiqueira, em Belo Horizonte.

De acordo com a corporação, o corpo de Thor será cremado em cerimônia fechada.

Treinamento

Muitos cães podem ser considerados verdadeiros heróis diante da ajuda que dão aos bombeiros durante resgates. Eles conseguem vasculhar locais muito restritos em busca de vítimas e não se cansam facilmente. Em muitas situações, é possível observar a determinação deles na busca por sobreviventes. 

Com o convívio diário, dentro da corporação, recebem carinho, amor, cuidados e se tornam 'parte da família'.

Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, os cães começam a serem treinados com aproximadamente 60 dias de vida, após o desmame. Possuem uma rotina de trabalho e são acompanhados diuturnamente por militares do canil, que são veterinários.

Atualmente, há 5 cães em Belo Horizonte - das raças border colie e pastor belga de malinois. Em Uberaba, há 6 cachorros - das raças labrador, pastor alemão e pastor belga de malinois.

Atuam em diversos tipos de buscas por vítimas em matas, escombros ou soterramentos. Trabalham até no máximo 10 anos, podendo se aposentar antes por questões veterinárias. 

Depois que se aposentam, passam a morar com o condutor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.