Ressaca destrói casas no PR

Matinhos, no litoral do Paraná, a cerca de 100 quilômetros de Curitiba, foi atingida neste domingo por uma das maiores ressacas dos últimos anos.Pelo menos 50 casas foram danificadas, e outras 20, destruídas. De acordo com a prefeitura, mais de 200 moradores estavam ocupando abrigos públicos. O número ainda não era definitivo.O prefeito Acindino Duarte (PMDB) decretou estado de emergência. A previsão era de repetição do fenômeno marítimo na madrugada desta segunda-feira. Segundo o ouvidor da prefeitura de Matinhos, Celso Fernandes da Silva, as ondas, durante a madrugada, atingiram 4 metros de altitude, e a maré continuava alta durante o dia.Dos cerca de 23 quilômetros da Avenida Beira-Mar, cerca de seis foram destruídos pela força das águas. Os desabrigados foram levados para o ginásio de esporte e outros centros comunitários. Outras pessoas procuraram casas de familiares. Silva disse que essa foi a pior ressaca dos últimos 35 anos no município. Segundo ele, não houve feridos graves, embora as pessoas tenham perdido praticamente todos os pertences.Neste período do ano, as ressacas não são comuns no litoral paranaense. A maré começou a subir devagar, por volta de 1h30, dando tempo às famílias de saírem das casas. Mas, depois, a força das águas aumentou. "Não sabíamos que viria nessa proporção", disse Silva. O ouvidor fez um apelo para que o governo estadual ajude na reconstrução das casas destruídas, sobretudo as da colônia de pescadores."Vamos retirar o pessoal desse local", disse o presidente da colônia, Adail João Pinto. A prefeitura tem outro local, mas necessita de benfeitorias. "Infelizmente, precisou acontecer isso, mas espero que, agora, o governo estadual auxilie-nos", disse o ouvidor. "Nós pedimos socorro."De acordo com Silva, as piores ressacas acontecem normalmente em agosto, mas não atingem a Avenida Beira-Mar nem chegam às casas dos veranistas. Mas, neste domingo, até mesmo algumas dessas residências foram destruídas."A ressaca está atacando e derrubando casas que ainda estão em pé" disse o ouvidor, na metade da tarde deste domingo. "Estamos apavorados."Com a maré alta, as águas do Rio Matinhos foram represadas, e algumas casas às suas margens, inundadas. No outro lado da baía, Guaratuba também presenciou o aumento da maré e ondas mais fortes, embora a destruição não tenha sido tão grande.Os problemas maiores foram com alguns quiosques à beira-mar. Um barco, com dois pescadores que saíram para o trabalho na noite deste sábado, conseguiu chegar seguro à baía somente às 9 horas deste domingo, mesmo assim, correndo muito perigo."O tamanho das ondas era muito grande", disse o capitão dos bombeiros, Edemilson Barros. "Até eu me assustei."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.