Divulgação
Divulgação

Restaurante popular oferece paella a R$ 1 em Campinas

Cardápio especial do Bom Prato faz parte da agenda de semanas internacionais da prefeitura

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2013 | 10h50

CAMPINAS - O nome e a aparência da misturada deixaram ressabiado o pedreiro José Francisco da Silva, de 58 anos, enquanto aguardava na fila do restaurante Bom Prato - que oferece refeições completas a R$ 1 -, nessa terça-feira, 8, em Campinas, interior de São Paulo. No prato, em vez do tradicional arroz, feijão, bife e salada, havia paella, comida típica da cozinha espanhola, com arroz, carne, frutos do mar, legumes e especiarias. "Gostei muito, nunca tinha comido", disse Silva.

O cardápio internacional é parte de uma agenda institucional de relações internacionais, organizada pela Prefeitura de Campinas, que decidiu levar ao Bom Prato (programa do governo estadual) comidas típicas dos países-alvo. Nesta semana espanhola, o menu foi a paella - diz-se paedja ou paelha, de acordo com o canto da Espanha de onde se fala.

"Por lei, temos semanas internacionais, com rodadas de negociações, visitas de autoridades e eventos culturais. Para aproximar essas relações internacionais dos cidadãos, decidimos usar a comida, que é algo que mais lembramos quando falamos de outra nação", explica a diretora municipal de Relações Internacionais, Beatriz Gusmão. Quem fornece a comida e leva a tradição são as comunidades dos países homenageados. O Bom Prato ganha cara nova, com decoração típica, bandeiras, espaço de fotos, danças e música. E comida que poucos poderiam conhecer em um restaurante especializado - onde uma paella, pode custar mais de R$ 100.

"O Bom Prato tem sete itens na refeição. Nessa data, trocamos o prato principal por uma comida do país", conta Beatriz. "É uma ótima forma de divulgarmos nosso país e nossas tradições", disse o cônsul da Espanha em Campinas e presidente da Casa de Espanha, Engel Fuentes Gonzales.

No Bom Prato, a paella não teve frutos do mar, nem coelho. A mistura foi de frango e porco, mais próximo da feita originalmente na região de Valência, pelos camponeses, que juntavam carne de caça (coelho) com porco e os demais ingredientes em um tacho grande de ferro levado direto ao fogo. Foi só na região litorânea que a comida ganhou os típicos frutos do mar (camarões, lulas e mexilhões), que cobrem a miscelânea culinária.

O gosto puxado no açafrão, outra marca do prato, e a combinação azeitada de ingredientes desarmaram a desconfiança do pedreiro Silva e dos demais frequentadores do Bom Prato de Campinas. Mais de 2 mil refeições foram servidas. A aposentada Mary Teresa Albertini foi pela primeira vez ao restaurante popular para provar a paella de R$ 1. "Fiquei sabendo que seria servido um prato espanhol. Nunca tinha vindo, mas adorei e aprovei a comida."

Mais conteúdo sobre:
Bom Prato Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.