Restos mortais do ´padre voador´ chegam à Sé

Em missa solene, presidida pelo Cardeal Dom Cláudio Hummes e celebrada pelo Arcebispo Militar do Brasil, Dom Geraldo Ávila, a Catedral da Sé, no Centro da Cidade, recebeu ontem os restos mortais de Bartolomeu de Gusmão, o "padre voador". O religioso, falecido em 1729, é considerado um dos pioneiros da aviação. Mais de 750 pessoas participaram da cerimônia - que também contou com a presença de autoridades da aeronáutica, marinha e exército. O padre Bartolomeu de Gusmão nasceu em Santos, no ano de 1685. Já em Portugal, baseou seus estudos na idéia de que um objeto "mais leve que o ar" poderia voar. Em 1709, diante do rei D. João V, comprovou sua teoria ao fazer um balão, denominado "Passarola", subir 4 metros de altura - pela ação do ar quente - e percorrer uma pequena distância. Bartolomeu foi enterrado em Toledo, na Espanha. Em 1966, seus restos mortais foram trazidos para o Brasil e ficaram na Fundação Santos Dumont, em São Paulo. A urna chegou a ser exposta no museu da aeronáutica, no Parque do Ibirapuera, em 1999. Segundo a Cúria Metropolitana de São Paulo, a idéia de depositar os restos mortais do "padre voador" na Catedral da Sé é antiga - e só não aconteceu antes porque a Catedral estava passando por reformas. Ela esteve fechada para restauração entre 1999 e 2002. CriptaOs restos mortais do padre Bartolomeu estão depositados na Cripta da Catedral da Sé. O local, inaugurado em 1919, contém 30 câmaras mortuárias. Elas são destinadas a guardar os sarcófagos dos bispos e arcebispos, além de guardar os restos mortais do cacique Tibiriçá, o primeiro cidadão de Piratininga, e do Padre Feijó, regente do Império. As visitas à cripta são monitoradas e acontecem às segundas, quartas, quintas, sextas e também aos sábados, das 9h30 às 11h30 e das 13h às 16h30. É cobrada uma taxa de 3 reais. Quem quiser marcar uma visita em grupo, deve ligar para o telefone 3107-6832.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.