'Resultado não é consistente com outros', diz Guerra

Levantamento que mostra a petista Dilma à frente do tucano Serra surpreendeu presidente nacional do PSDB, que defende reflexão do partido

Ana Paula Scinocca, Denise Madueño, João Domingos, Marcelo de Moraes, Carolina Freitas e Gustavo Uribe, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2010 | 00h00

O presidente nacional do PSDB e coordenador da campanha de José Serra à Presidência, senador Sérgio Guerra (PE), disse estar "surpreso" com o resultado da pesquisa CNI/Ibope divulgada ontem e afirmou que o partido deve "refletir" sobre os números.

O levantamento mostra a petista Dilma Rousseff com 40% das intenções de voto no primeiro turno, contra 35% de Serra. "O resultado nos surpreende e não é consistente com outros levantamentos. Mas o fato concreto é que nós devemos refletir", disse.

Ontem, em Guarulhos (SP), Serra foi informado sobre os números por jornalistas, mas não fez comentários. "Eu não vi ."

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), avaliou a ultrapassagem de Dilma como uma "oscilação natural". Já o líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), classificou o resultado como "desagradável". E o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), cotado para a vice de Serra, creditou o crescimento de Dilma ao "uso da máquina do governo".

Para o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), o resultado é surpreendente. "Eu respeito a pesquisa feita pelo Ibope, mas temos recebido números que apontam uma diferença em torno de 4 pontos porcentuais a favor de Serra", alega.

Do outro lado, Dilma não quis comentar a pesquisa, mas seus aliados comemoraram. O presidente do PT, José Eduardo Dutra, disse que a campanha está no caminho certo. "Por isso, vamos manter a mesma linha."

O secretário de Comunicação do PT, deputado André Vargas (PR), ironizou Serra. "Com a grande exposição de mídia (ele apareceu nos programas do PSDB, PPS e DEM antes da sondagem), esperança tucana para crescer, Serra perdeu 2 pontos e ganhou duas multas."

Para o coordenador de Marina Silva (PV), João Paulo Capobianco, a candidata verde tem "base consistente de apoio e condições de crescer".

Vice. João Almeida (PSDB) fala sobre a chapa tucana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.