Divulgação
Divulgação

Retrospectiva 2011: Em março, Belas Artes fecha e motorista atropela 12

No mês das águas, Tietê transbordou pela 3ª vez e cachorro desapareceu no aeroporto de Porto Alegre

Estadão.com.br,

21 de dezembro de 2011 | 20h00

SÃO PAULO - Após meses de comoção, foi em março que aconteceu: o Cine Bela Artes rodou a última sessão e fechou as portas. Foi também quando um motorista atropelou ao menos 12 ciclistas durante uma manifestação em Porto Alegre. E quando o ciclo das águas de março fez com que o Rio Tietê transbordasse pela terceira vez no ano.

Foi quase um ano de "fecha não fecha", mas no dia 17 de março o Cine Belas Artes teve suas últimas sessões - sucesso de público - com clássicos do cinema e, por fim, passou os créditos finais - com muita crítica.

A administração do local perdeu o patrocínio do cinema e não conseguia um novo para bater o pedido de R$ 150 mil de reajuste no valor do aluguel pedido pelo dono do prédio. Após negociações, prazos esticados e mobilizações, o último suspiro foi um pedido de tombamento do imóvel como patrimônio público, mas a ação foi negada pelo Conpresp, em setembro, e pelo Condephaat em novembro.

Com a saída do cinema do local, inaugurado pelos idos da década de 60, a fachada do Cine Belas Artes virou vitrine de pichações e a marquise, dormitório de moradores de rua. Mas a esperança ganhou uma sobrevida no fim de dezembro.

Um juiz reabriu o processo de tombamento observando que os órgãos responsáveis não observaram "procedimentos necessários e legais ao exame da qualidade cultural do imóvel". Com isso, ainda há uma chance que o prédio seja mantido nas formas originais.

Águas de março. O mês começou debaixo de chuva e com o Rio Tietê transbordando pela terceira vez em 50 dias. A água passou o leito e invadiu as faixas da marginal em cinco pontos diferentes e dois afluentes - os rios Tamanduateí e Aricanduva - também subiram além das margens.

Outros 49 pontos em diversas regiões de São Paulo também ficaram alagados. Cidades da Grande São Paulo e até Santos, no litoral, tiveram danos com o temporal. Ruas alagadas, semáforos apagados, buracos e deslizamentos. Não houve registro de feridos graves.

 

Escândalo. Por causa de uma suposta espionagem contra o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, o chefe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Marco Antônio Desgualdo, acabou perdendo o cargo na Polícia Civil.

Ele foi, com outros delegados, tentar conseguir a fita, por meio de fraude, do circuito interno de um shopping onde Ferreira Pinto se encontrou com um jornalista dias antes. O vídeo parou na internet e shopping disse que havia entregado as imagens para investigação policial.

O objetivo era chantagear Ferreira Pinto e jogar o governador de São Paulo contra ele, acusando-o de ser o responsável por informações contra o sociólogo Túlio Kahn, ex-coordenador de estatísticas da Secretaria da Segurança.

Outros três diretores da Polícia Civil caíram, dias depois da primeira demissão: Luiz Maurício de Souza Blazeck, delegado do Departamento de Administração e Planejamento (DAP), Elson Alexandre Sayão, do Departamento de Identificação e Registros Diversos (Dird), e Luiz Carlos do Carmo, titular da Delegacia de Pessoas Desaparecidas do DHPP.

Rio Grande do Sul. O sul do País ganhou destaque no noticiário com casos de atropelamentos de ciclistas em março. No dia 13, um motorista sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) atingiu dois ciclistas na Avenida Assis Brasil e fugiu sem prestar socorro. Ambas as vítimas tiveram ferimentos leves. O motorista suspeito foi preso temporariamente dias depois.

Algumas semanas antes, o bancário Ricardo Neis atropelou e feriu 17 ciclistas que participavam de um passeio noturno na capital gaúcha. Ele alegou que se viu cercado por um grupo de ciclistas e forçou a passagem porque temia uma agressão. O motorista ficou preso preventivamente por cerca de um mês e vai responder a um processo por tentativa de homicídio triplamente qualificada.

Cachorro desaparecido. Foi em março também que Pinpoo virou o centro de um drama em Porto Alegre: deveria ter sido mandado para Vitória no início do mês, mas a dona chegou sozinha ao destino. Preocupada, Nair Flores antecipou a volta para casa para encontrar o animal de estimação.

Quinze dias de angústia, uma fratura no pé e um falso Pinpoo encontrado depois, o verdadeiro cachorro foi capturado por agentes da Brigada Militar (a polícia militar gaúcha). O animal estava nos arredores do Aeroporto Salgado Filho e foi capturado com uma "armadilha" de comida que o levou até a sala da Brigada.

O caso foi um dos mais comentados no Twitter por dias.

Mais conteúdo sobre:
retro2011Cidadesmarço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.