Reunião de conciliação não afasta greve do metrô

Representantes da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e do sindicato da categoria reuniram-se nesta sexta-feira à noite numa audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), mas não chegaram a um acordo. A greve anunciada para segunda-feira continua mantida.Domingo, os metroviários realizarão assembléia às 17 horas para discutir a proposta do Metrô e a do TRT, em que eles suspenderiam a paralisação, mas continuariam em estado de greve, e teriam 15 dias para negociar.Segundo o vice-presidente do sindicato, Flávio Godoi, o Metrô mantém a proposta de conceder reajuste de 6% e restringir os benefícios de gratificação para os novos funcionários."O que a empresa oferece é muito menos do que poderíamos ganhar, de acordo com o próprio tribunal", afirmou Godoi. "Estamos abertos para negociar, mas se o Metrô mantiver a mesma proposta será difícil a greve não acontecer", disse. O reajuste salarial pretendido pela categoria é de 7%, além de 4% sobre a produtividade. Nesta sexta-feira, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou o pedido de liminar do Metrô e propôs reajuste de 7% com diminuição do adicional noturno para 20% e hora extra para 50%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.