Reunião no Rio quer prioridades de cidades atingidas pela chuva

Participam do encontro em Itaperuna prefeitos, secretários de Saúde das cidades e equipes da Sedesc do Rio

Agência Brasil,

08 de janeiro de 2009 | 17h57

Os prefeitos e secretários de Saúde dos municípios do norte e noroeste do Rio atingidos por enchentes em consequência das chuvas das últimas semanas se reuniram na tarde desta quinta-feira, 8, na cidade de Itaperuna com equipes das secretarias estaduais de Saúde e Defesa Civil (Sedesc) e de governo. O objetivo do encontro, que faz parte do Plano de Mobilização do Estado contra as chuvas, é identificar as necessidades mais urgentes de cada município. Veja também:Todas as notícias sobre vítimas das chuvas      De acordo com o coronel coordenador da Defesa Civil no norte fluminense, Moacir Pires, a situação está controlada na região. Embora o céu esteja nublado, não chove na região nesta quinta e o nível dos rios começou a baixar, mas a população ainda sofre com os reflexos das enchentes.  Já os moradores de Pociúncula, na divisa com Minas Gerais e que na quarta chegou a ter 80% de sua área inundada, ainda sofrem com a interrupção do abastecimento de água tratada. Os serviços da prefeitura precisaram ser transferidos temporariamente para o Centro Cultural do município, pois o prédio onde funcionava a sede também ficou alagado. Além disso, a cidade ficou praticamente ilhada. As três vias de acesso ao município ficaram submersas. Há pelo menos 300 desabrigados e três mil desalojados na cidade. Apesar de não chover desde quarta, o Rio Carangola, que corta o município, está 1,80 metros acima do nível normal. De acordo com o prefeito, Antônio Jogaib, a união de esforços entre os municípios vizinhos é fundamental nessa fase de recuperação que levará pelo menos dez dias. "Esperamos que agora a situação comece a melhorar. Tivemos uma fase bem difícil, a cidade foi muito atingida, ma a água começou a baixar. É preciso união, porque um município depende do outro. O rio que passa aqui segue para a cidade vizinha e por aí vai", afirmou Jogaib. No município de Itaperuna, as sucessivas enchentes provocaram uma epidemia de leptospirose. A doença, transmitida com a disseminação da urina dos ratos nas águas, provocou a morte de três pessoas na cidade. Segundo o secretário de Saúde do município, Carlos Alberto Carpi, outros três casos estão em tratamento. Segundo o coronel Pires, pelo menos 62 mil pessoas foram prejudicadas pela chuva em todo Estado. Há até o momento 6.810 desalojadas e 34.363 no Rio. Doze municípios continuam em situação de emergência e um, Cardoso Moreira, em estado de calamidade pública. "A situação está controlada e acreditamos que volte à normalidade [nos próximos dias] já que os rios estão baixando, ainda que lentamente", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.