Reunião sobre o setor aéreo começa com 2 horas de atraso

Começou com duas horas de atraso a reunião do ministro da Defesa, Waldir Pires com o cúpula do setor aéreo para discutir a crise nos aeroportos. Pires convocou representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), da Aeronáutica e da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Eles devem apresentar medidas urgentes a serem tomadas para que se possa marcar dia e hora para acabar o caos nos aeroportos, como exigiu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no início da semana.A assessoria do Ministério não informou o motivo do atraso e confirmou que o ministro dará uma entrevista coletiva ao final do encontro. O início da reunião, inicialmente marcada para às 10 horas, coincide com o horário marcado pelos controladores de vôo para o início da operação padrão nos aeroportos de todo o País, ao meio-dia.O brigadeiro Luís Carlos Pereira, presidente da Infraero, chegou por volta das 10h30 no ministério e confirmou que cada órgão do setor aéreo apresentará um relatório com propostas de trabalho que serão levadas depois ao presidente Lula. Pereira iria propor a transferência dos controladores que trabalham nas torres de aproximação dos 22 aeroportos do País para os Centros de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindactas). Esses controladores só atuam num raio de 10 quilômetros e a idéia é que eles passem a controlar todo o tráfego aéreo. O brigadeiro não deu o número desses controladores, mas disse que o efeito da transferência não seria imediato, já que eles precisariam ser submetidos ainda a treinamento.CPI do ApagãoCom relação a CPI do Apagão Aéreo, o presidente da Infraero disse que qualquer investigação é boa, desde o que tenha o que investigar. Do contrário, afirmou, a CPI "pode até virar tumulto". "Graças a Deus não sou do Legislativo, nem do Judiciário", afirmou, referindo-se à queda de braço entre os dois poderes sobre a instalação da CPI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.