Réveillon do Rio terá só um palco

Público poderá ver os mesmos shows em Copacabana, com direito a fogos em 3D, e fazer junto contagem da virada

Fabiana Cimieri, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2007 | 00h00

Pela primeira vez, todas as pessoas que participarem do Réveillon de Copacabana assistirão aos mesmos shows e poderão fazer juntas a contagem regressiva para 2008. "Vai ser como se todo o público estivesse junto dos artistas. Preferimos montar um palco grande e com efeitos especiais do que três palcos menores, como foi feito em anos anteriores", disse ontem o secretário municipal de Turismo, Rubem Medina. Outra novidade deste ano serão os fogos com efeito 3D, mas a prefeitura não divulgou detalhes a respeito. O palco único será montado entre as Ruas Santa Clara e Figueiredo Magalhães, terá 65 metros de largura e formato octogonal, que permite a visão dos shows de todos os lados. Seis telões e 32 torres de som devem garantir que a festa seja acompanhada pelo público nos 3 quilômetros da orla de Copacabana. O espetáculo de fogos terá a duração de 16 minutos e lembrará os Jogos Pan-Americanos realizados em julho no Rio e a eleição do Cristo Redentor como uma das sete maravilhas do mundo moderno.Nesse período, os organizadores prevêem estourar 22 mil bombas, distribuídas em oito balsas, mesmo número do ano anterior.Além de Copacabana, haverá outros nove palcos com shows: Barra, Sepetiba e Guaratiba (zona oeste), Ipanema, Leblon e Flamengo (zona sul), piscinão de Ramos, Penha e Ilha do Governador (zona norte) e Paquetá. Haverá espetáculo de fogos em seis desses pontos. Ipanema, Guaratiba e Sepetiba ficaram de fora do show. Mas a festa principal, como sempre, será em Copacabana, zona sul, onde os organizadores esperam cerca de dois milhões de pessoas. A partir das 19h, o som começa a esquentar. Em seguida, apresentam-se o DJ Mam, o sambista Diogo Nogueira e o DJ Nado Leal. Dez minutos antes da meia-noite, entra no ar a trilha sonora com a contagem regressiva para 2008 e, 20 minutos depois, inicia-se a apresentação do DJ Marlboro, que lança seu novo projeto Live. Acompanhado de uma banda, ele irá comandar um grande baile com os clássicos nacionais e internacionais do funk. "A idéia é fazer todo mundo dançar", afirmou.O diretor de Comunicação do Sindicato de Bares, Hotéis e Restaurantes do Rio (SindRio), Pedro Delamare, criticou a demora da prefeitura em anunciar como seria a estrutura da festa e quais as atrações. "Isso dificulta a venda dos pacotes, porque não sabemos direito o que oferecer. Acho que teremos que baixar as tarifas para completar a ocupação, que está em torno de 80% dos quartos reservados atualmente."A prefeitura ainda negocia com a Bradesco Seguros, patrocinadora da árvore de Natal da Lagoa, para que também banque uma balsa com fogos para comemorar o Réveillon. O custo total da festa é de cerca de R$ 9 milhões. Desses, 6,4 milhões foram investidos diretamente pela administração municipal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.