Reveillón no Rio comemora 500 anos da Guanabara

A festa de reveillon de 2002 vai comemorar os 500 anos de descobrimento da Baía de Guanabara - por Américo Vespúcio, em 1º de janeiro de 1502 - e se espalhar por toda a orla marítima e sambódromo, atraindo cerca de 3,5 milhões de pessoas. O espetáculo de fogos de artifício deve se concentrar em Copacabana, onde são esperadas 2,2 milhões de pessoas, mas será armado no mar, a 300 metros da praia, para evitar o acidente que no ano passado matou uma pessoa e feriu várias outras. Estas informações foram divulgadas hoje pela Riotur, empresa municipal de turismo, que organiza o reveillon na cidade. A festa vai custar, ao todo, R$ 6 milhões. Três quartos desse custo serão destinados a Copacabana e pagos por quatro patrocinadores: Grupo Pão de Açúcar, Associação Brasileira da Indústria Hoteleira, Coca-Cola Refrigerantes e BR-Distribuidora. As questões relativas a transporte, trânsito e segurança ainda estão em estudos pela Riotur e os órgãos municipais e estaduais encarregados delas, e devem ser divulgadas nos próximos dias. O metrô começa a vender bilhetes com hora marcada para o dia 31 na próxima segunda-feira. Serão colocados à disposição do público 55 mil tíquetes, mas cada pessoa só poderá comprar cinco, nas estações Carioca, Estácio e Pavuna, entre 9h e 18h. Não serão vendidos bilhetes de volta com hora marcada, apesar das filas quilométricas que se formaram a partir da meia-noite do último 1º de janeiro. Palcos Em Copacabana, os shows começarão às 20h30 e terminarão em horário escalonado, para facilitar a fluência do trânsito. Os fogos estarão distribuídos em 4 balsas, e terão duração menor, cerca de 10 minutos. "O importante não é o tempo e sim a grandiosidade do show", alertou o presidente da Riotur e secretário municipal de Turismo, José Eduardo Guinle. A empresa escolhida para operar os fogos é paulista Índios Pirotecnia, que fez o reveillon de Florianópolis, com supervisão da Marinha e da Secretaria do Estado de Segurança. O material e tecnologia virão da francesa Jacques Couturier Organization, que fez a festa de abertura da Copa do Mundo em Nantes, em 1998, cidade onde o Brasil iniciou o campeonato. Os dez palcos estarão espalhados nos seguintes locais: um em Paquetá e outro na Ilha do Governador (dentro da Baía de Guanabara), um no Flamengo, três em Copacabana, um em Ipanema, próximo à divisa com o Leblon, dois na Barra da Tijuca, e um em Sepetiba, na zona oeste. O décimo ficará no Sambódromo, onde são esperadas 60 mil pessoas, apesar de o metrô Praça 11, ficar fechado. Em todos os palcos haverá shows com música popular brasileira e escolas de samba, seguidos de baile com DJs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.