Revelando SP leva costumes antigos às ruas da capital

Organização estima que 1,5 milhão de pessoas foram ao Parque da Água Branca, durante dez dias de evento

Silvia Song, O Estadao de S.Paulo

22 de setembro de 2008 | 00h00

No Dia Mundial da Cultura de Paz, comemorado ontem, as ruas da capital foram invadidas por cortejos folclóricos, no encerramento do 12º Revelando São Paulo, evento que reuniu na capital grupos de cultura tradicional de 215 municípios do Estado. Da Freguesia do Ó, na zona norte, saíram 200 cavalos e cavaleiros em romaria; do Largo do Paiçandu, no centro, foram conduzidas imagens católicas em 22 carros de boi; e do Memorial da América Latina, na zona oeste, o cortejo foi de 40 grupos de Congada e Moçambique, todos do interior do Estado.O encontro foi no Parque da Água Branca, que, desde 12 de setembro, se transformou no centro da cultura tradicional de São Paulo. No Revelando deste ano, foram apresentadas 400 atrações, com 5 mil artistas, 80 espaços de culinária e 155 de artesanato. A organização estima que 1,5 milhão de pessoas foram ao evento, mesmo com as pancadas de chuva.Segundo a Abaçaí Cultura e Arte, ONG que organiza o evento com a Secretaria Estadual da Cultura, a aceitação do público aumentou desde que o Revelando passou a fazer parte do calendário cultural da cidade. Os participantes fazem coro. "Representar minha cultura é a coisa mais bonita que há. Aqui, as pessoas agregam conhecimento e podemos ver como melhorar o que oferecemos", disse Alcidez da Cruz, do Congado e Moçambique de São Benedito, de Lorena. Para Jessé Mendes Garcia, do Vale do Paraíba, que trouxe para a capital os bois que usa para fazer carretos e substituir o trator na agricultura, o Revelando é importante para a difusão da diversidade cultural do Estado. "Tem criança que não sabe nem de onde vem o leite ou como é feita a pamonha."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.