Reviravolta no caso Luciana: agora um PM é suspeito

Em mais uma reviravolta nas investigações sobre o caso Estácio de Sá, o chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, apontou nesta segunda-feira como novo suspeito um policial militar que teria trocado tiros com traficantes na manhã em que a estudante Luciana Gonçalves de Novaes foi baleada no câmpus da universidade.Ele usava uma pistola calibre 40, do mesmo tipo da que feriu a jovem. A perícia mostrou nesta segunda-feira que o tiro não partiu da arma do inspetor Marco Ripper, que fora apontado como principal suspeito pelo secretário estadual de Segurança Pública, Anthony Garotinho.O PM é o soldado William Andrade Lucas, um dos nove policiais militares presos sob suspeita de participação no desaparecimento de dois jovens do Morro do Turano, que fica nos fundos da universidade, e ainda na extorsão e morte do traficante Adriano Miano, o Sapinho, três dias antes do ataque à Estácio.No início das investigações, a polícia acreditava que o tiro contra o câmpus tivesse partido de traficantes da favela em represália à ação dos PMs. ?Há uma denúncia anônima de que esse policial militar (o soldado Andrade) teria estado pela manhã no Morro do Turano e perseguido um traficante que fugiu em direção à universidade. Houve disparos nessa perseguição. Esse policial estava armado com uma pistola calibre 40. Já está confirmado?, disse Álvaro Lins.A polícia também tem mais um suspeito de ter adulterado as imagens gravadas pelo circuito interno de TV, que poderão mostrar quem atirou em Luciana. Estado de LucianaBoletim médico divulgado nesta sgeunda-feira pelo Hospital Pró-Cardíaco informou que Luciana Gonçalves de Novaes está desperta, mas ainda respira com a ajuda de aparelhos. Os médicos tentaram fazer com que a jovem respirasse espontaneamente, mas, segundo o boletim, ?não tiveram êxito.?O estado dela é estável. Desde o dia 5, quando foi baleada, Luciana já passou por três cirurgias: duas para fixação da coluna e outra para reconstituição da mandíbula, parcialmente destruída pela entrada do projétil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.