Revoltados, moradores põem fogo em linha de trem

Moradores do bairro Jardim Pantanal, bairro de São Paulo, puseram fogo, nesta quinta-feira à noite, na linha da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) entre as Estações Ermelino Matarazzo e São Miguel Paulista.No local, morreu atropelada, nesta quarta-feira, Tamara Cazuza dos Santos, de 11 anos. Os manifestantes protestavam contra a falta de passarelas no local, que tem apenas uma travessia clandestina aberta pelos próprios moradores nos muros que cercam a linha.Os trens que seguiam para a zona leste tiveram de parar na Estação Ermelino Matarazzo, o que provocou um segundo tumulto. Inconformados com o atraso na viagem, passageiros começaram a depredar a estação e puseram fogo em dormentes de madeira. A PM precisou conter os manifestantes.Segundo o gerente de Segurança da CPTM, César Dias, o tráfego de trens na região ficou prejudicado por três horas. Cerca de 30 mil pessoas tiveram a viagem atrasada. Foi acionado o Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (Paese), para que os passageiros pudessem seguir de ônibus.Dias se reúne nesta sexta-feira com os moradores do Jardim Pantanal para discutir uma solução para o impasse.Os manifestantes ameaçam tocar fogo na linha diariamente, até que seja construído um túnel ou uma passarela. "Se não fizerem, não vai rodar trem aqui não", disse o ajudante de obras Carlos Ferreira da Silva, de 61 anos.Nesta quinta-feira pela manhã, a adolescente Anicélia Freitas de Souza, de 15 anos, foi atropelada por um trem da CPTM em Franco da Rocha. Bombeiros levaram Anicélia para o Hospital Ersa 14, na mesma cidade.Às 16 horas, ela teve de ser submetida a uma cirurgia, na qual se constatou lesão no fígado. A adolescente está internada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.