Revoltas elevam ataques a jornalistas, diz ONU

CORRESPONDENTE / GENEBRA

Jamil Chade,

04 de maio de 2011 | 00h34

Para marcar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, a ONU acusou ontem regimes no Oriente Médio e na África do Norte de usarem a opressão contra jornalistas como um dos pilares para se manter no poder. Desde o início do ano, foram registrados 450 ataques contra profissionais de imprensa em países que enfrentam revoltas.

Segundo a ONU, mais de 850 jornalistas foram assassinados em todo o mundo nos últimos 20 anos. O que mais preocupa a entidade é que 90% dos casos nunca foram esclarecidos.

Mas 2011 tem sido, segundo a entidade, um ano especialmente violento, com pelo menos 16 mortos até agora. "A imprensa tem pago um preço alto para informar sobre os eventos que estão ocorrendo neste ano", afirmou a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay. Foram quatro mortes na Líbia, duas em Bahrein e três no Iraque - Iêmen, Egito e Tunísia registraram um caso cada.

"Um número grande demais de países continua a impor restrições ao direitos à liberdade de expressão para silenciar dissidentes, sob o pretexto de manter a estabilidade, o desenvolvimento econômico e lutar contra o terrorismo", afirmou Navi.

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteira, já ocorreram mais de 30 prisões na Líbia e começa a ocorrer o mesmo na Síria. No Irã, seriam mais de 200 jornalistas presos desde junho de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.