Ribeirão Jovem diminui vagas para estagiários

O Programa Ribeirão Jovem já reduziu, a pedido do prefeito de Ribeirão Preto, Gilberto Maggioni (PMN), desde a segunda quinzena de janeiro, 670 vagas do Estágio Cidadão. A medida, que diminui em cerca de R$ 1 milhão o investimento neste ano (em 2002 foram investidos R$ 3 milhões), foi determinada devido ao possível déficit orçamentário anunciado por Maggioni, que seria de R$ 38 milhões, mas vai ficar em R$ 10 milhões.Apesar dessa diferença de valores, a redução ou não renovação dos contratos ou substituições de estagiários foram seguidas à risca pelo coordenador do Ribeirão Jovem, Caio Magri. Segundo Magri, na medida do possível a Prefeitura vai ampliar os programas sociais, com mais recursos.O Estágio Cidadão tinha, no final de 2002, 1.970 jovens entre 16 e 24 anos, cursando o ensino médio nas redes públicas municipal e estadual ou universidades. Cada contrato tem, no máximo, um ano de duração. Após isso, há substituição por outros jovens.Porém, a meta de Maggioni era reduzir para 1.300 vagas imediatamente. Assim, os jovens que terminaram seus contratos ou os vínculos com as instituições de ensino não foram substituídos. A partir de agora, com a meta atingida, segundo Magri, não existe motivo para não ocorrerem substituições.Cada estagiário, que ganha entre R$ 200,00 (por quatro horas diárias de trabalho) e R$ 300,00 (por seis horas), trabalha em repartições da Prefeitura (inclusive autarquias) ou em ações comunitárias (instituições ou organizações não-governamentais, como o Núcleo de Cinema, por exemplo). "São mais de 80 projetos atendidos", diz Magri.Segundo ele, no balanço feito em 2002, os estagiários atingiram mais de 350 mil munícipes. O Estágio Cidadão, lançado em janeiro de 2001, que também avalia trimestralmente o desempenho de cada beneficiado, é um dos principais programas sociais lançados pelo ex-prefeito Antônio Palocci Filho, atual ministro da Fazenda. O outro projeto de destaque é o Primeiro Emprego, que oferece 400 vagas. Este, porém, não foi afetado por motivos econômicos determinados por Maggioni.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.