Ribeirão Preto constrói barragens para evitar enchentes

Para evitar que novas enchentes provoquem inundações durante o verão em casas e lojas comerciais, além de deixar famílias desabrigadas, como ocorreu em fevereiro deste ano, a prefeitura de Ribeirão Preto está intensificando as construções de barragens de contenção de águas. Das duas que estão em obras, o município gastará R$ 3,7 milhões para a ampliação de uma barragem e a construção de uma nova. "Em todo o projeto deveremos construir 14 barragens", diz o secretário de Infra-estrutura de Ribeirão Preto, Ibraim Alexandre Júnior.A barragem Santa Tereza, que sofreu danos na enchente de fevereiro e tinha 18 mil metros cúbicos de capacidade, está sendo reconstruída e ampliada para 220 mil metros cúbicos. O investimento é de R$ 1,4 milhão e a obra deverá ficar pronta até o final de outubro.A barragem de Bonfim Paulista, que terá capacidade para 500 mil metros cúbicos e começou a ser construída nesta semana, é uma obra nova. A intenção da prefeitura é diminuir ao máximo o prazo da obra, previsto para terminar em seis meses, ou seja, após fevereiro de 2003. "Se o tempo ajudar, com trabalho dia e noite, ela deverá ficar pronta no final de dezembro", diz Alexandre Júnior. "Assim, evitaríamos as chuvas de janeiro."A obra do distrito de Bonfim Paulista será construída a 300 metros da Rodovia Antônio Machado Sant´anna, que liga Ribeirão Preto a Araraquara, na bacia hidrográfica do Ribeirão Preto, na zona rural. A barragem terá 280 metros de comprimento e 15 metros de altura e custará R$ 2,3 milhões aos cofres públicos de Ribeirão Preto.Segundo Alexandre Júnior, as 14 barragens previstas para serem construídas em Ribeirão Preto deverão custar entre R$ 50 milhões e R$ 60 milhões. "Vamos buscar recursos nacionais e internacionais para isso, pois as barragens são importantes para a cidade", diz o secretário de Infra-estrutura. Para 2003, pelo menos duas barragens serão construídas: perto da Quinta da Boa Vista e no córrego Retiro. "Temos R$ 3 milhões previstos no Orçamento Participativo e cada uma deverá ficar em aproximadamente R$ 1,4 milhão." Uma terceira obra também poderá ser realizada. Alexandre Júnior destaca ainda que, para evitar problemas no verão, a prefeitura está fazendo mensalmente o desassoreamento dos principais córregos do município.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.