Ribeirão Preto cria o Disque Dengue para orientar moradores

A Secretaria Municipal da Saúde, de Ribeirão Preto, inaugurou nesta segunda-feira, 5, um novo mecanismo de combate ao mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue e da febre amarela. É o Disque Dengue (0800-775-0123), um canal gratuito e direto para que a população possa buscar orientações e medidas preventivas sobre a doença e até agendar visitas dos agentes públicos de saúde que erradicam as larvas do vetor. Ribeirão Preto já teve, desde 1990, três epidemias de dengue. A última ocorreu no ano passado, inclusive com uma morte por dengue hemorrágica, o quadro mais grave da doença e que preocupa na cidade, que já tem 58 casos de dengue confirmados neste ano."Nosso foco é evitar a dengue hemorrágica, pois temos transmissões de dengue, de três tipos de vírus, há mais de dez anos", diz o chefe da Divisão do Controle de Vetores, Paulo Camarero. No caso de aparecer um quarto tipo de vírus transmissor isso poderia ser alarmante. "Em questão de horas poderia levar o paciente a óbito", relembra ele. Por isso, após o período chuvoso entre novembro e fevereiro, os agentes de saúde de Ribeirão Preto trabalham intensamente para eliminar os criadouros do mosquito. E a ajuda da população poderá ser importante nesse combate.Acesso às consultasCamarero diz que o Disque Dengue, gratuito (com exceção de ligações por telefones celulares ou interurbanos), facilitará o acesso dos cidadãos às consultas. "As pessoas podem nos informar sobre focos de dengue, responsável por 90% de nosso trabalho, e também nos avisar sobre focos de caramujos africanos, escorpiões, cobras, entre outros", comenta ele. O serviço funciona das 7h30 às 17 horas.Além disso, qualquer um pode ligar e tirar dúvidas sobre onde os agentes estão atuando, para evitar transtornos. Em fevereiro, uma casa foi assaltada no distrito de Bonfim Paulista por pessoas que se passaram por agentes públicos no combate à dengue. Ribeirão Preto teve a sua maior epidemia em 2006: 5.228 casos, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, sendo 15 casos hemorrágicos (um com morte). Ficou atrás apenas de São José do Rio Preto, que teve 12.087 casos, segundo a Superintendência de Controle de Endemias (Sucen). O órgão estadual relaciona 4.453 casos de dengue em Ribeirão Preto, talvez devido a muitos exames não terem sido feitos pelo Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo. Nas epidemias anteriores, Ribeirão Preto teve 2.305 casos em 1990 e 3.190 em 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.