Ribeirão Preto tem 1ª morte por dengue hemorrágica do Estado

A epidemia de dengue fez a primeira vítima em Ribeirão Preto e no Estado de São Paulo neste ano. Um homem, de 54 anos, branco, morador no Quintino Facci 1, morreu em 22 de fevereiro, no Hospital das Clínicas, vítima de dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença. A confirmação veio no final da tarde de quarta-feira, 5, após o último exame realizado pelo Instituto Adolfo Lutz.Devido à morte, o prefeito da cidade, Welson Gasparini (PSDB), convocou uma reunião com representantes de associações de bairros e outras entidades comunitárias e autoridades municipais, na tarde desta quinta-feira, 6, para declarar "guerra" à dengue.EpidemiaRibeirão já teve, neste ano, 1.334 casos da doença (somente 14 importados de outras cidades), sendo sete hemorrágicos (seis se recuperaram)."Essa guerra não é só da prefeitura, é de todos nós: ou Ribeirão Preto entra nessa guerra ou vamos pagar um preço muito caro por isso", disse Gasparini. Ele informou que já foram gastos no município, no combate à dengue, R$ 4,08 milhões, sendo R$ 1,43 milhões do Ministério da Saúde e R$ 2,6 milhões da própria prefeitura.O prefeito disse que existem 160 agentes da Divisão de Controle de Vetores no combate à doença, além de outros 320 agentes comunitários. O problema, porém, é que muitas residências fechadas não são visitadas e podem conter focos do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue e da febre amarela.Preocupado com o aumento da incidência da dengue, o promotor dos Direitos do Consumidor, Carlos Cezar Barbosa, disse que, a partir de sexta-feira, 07, o Ministério Público Estadual poderá mover ação de ingresso forçado nas casas, em co-autoria com a prefeitura, pedindo liminares à Justiça para autorizar as entradas dos agentes. "Isso é uma questão de saúde pública", disse Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.