Ribeirão Preto tem saída para 1.500 desempregados

A prefeitura de Ribeirão Preto divulga, a partir de segunda-feira, a classificação das 1.500 pessoas selecionadas que irão ocupar as vagas do programa Ribeirão Trabalhando na Frente, recentemente lançado. Cerca de 7 mil pessoas se candidataram às vagas disponíveis, como limpeza e manutenção de equipamentos e logradouros públicos. Cada um ganhará, pela jornada diária de quatro horas, a bolsa-auxílio de R$ 200,00 mensais, uma cesta básica e transporte para os cursos de qualificação profissional. O termo de adesão (contrato) será de nove meses. O programa vai unificar outros dois extintos pelo prefeito Gilberto Maggioni (PT): o Cidade Limpa (de ocupação) e o De Volta ao Trabalho (de qualificação). Segundo o coordenador do programa, Cesar Sturari, os aprovados serão chamados aos poucos. A primeira turma, de 600, deverá começar a trabalhar até o dia 15. O restante será chamado gradativamente, até janeiro. Os critérios da seleção foram, prioritariamente, sócio-econômicos: família numerosa, os que têm filhos em idade escolar ou portadores de deficiência ou idosos. Além da relação dos aprovados, Sturari informou que será divulgado um gráfico geral dos candidatos, como faixa etária, grau de escolaridade e até que o público feminino, por exemplo, superou o masculino (70% contra 30%). As pessoas aprovadas irão trabalhar 16 horas semanais e 4 horas serão destinadas ao cursos, desde alfabetização até profissionalizantes, em parceria com o Serviço Nacional da Indústria (Senai), como de pintor, pedreiro, encanador, jardinagem, culinária, entre outros. Ao final dos nove meses, a prefeitura fará um cadastro na Central do Trabalhador Autônomo, que intermediará a mão-de-obra com os interessados nos serviços específicos. Cada participante do programa terá 40 horas de aulas teóricas e 106 horas de aulas práticas nas áreas escolhidas. Os que estiverem perto da aposentadoria, ao final do programa, serão auxiliados pela prefeitura a conseguirem a ocupação para concluir esse prazo necessário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.