AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Ribeirão Preto vai testar larvicida contra mosquito da dengue

A partir de junho será testado em Ribeirão Preto, a 310 quilômetros de São Paulo, a eficiência de um novo larvicida, o Diflubezuron, no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. O produto foi testado em laboratório pelo Ministério da Saúde. O levantamento em Ribeirão vai até dezembro, coordenada pelo ministério.Ribeirão Preto será uma das primeiras cidades do País a usar o produto, em 22 mil domicílios, na Vila Virgínia, com a atuação de 22 agentes do Controle de Vetores. A outra cidade a testar o produto é Montes Claros (MG). Em Santos, no Litoral Sul de São Paulo, existe outro teste do larvicida, mas coordenado pela Superintendência do Controle de Endemias (Sucen).Ribeirão vive a sua terceira epidemia de dengue, com 1.735 casos neste ano. Nove são hemorrágicos, um com morte. "Vamos testar esse novo larvicida como opção, o que não significa que ele será utilizado na cidade, pois o Temofos é usado aqui há quatro anos e ainda é altamente eficaz", diz o diretor do Departamento de Vigilância em Saúde do município, Clésio Sousa Soares.O Temofos, segundo Soares, não tem mais eficácia em cerca de 230 cidades brasileiras, onde já criou resistências. "O larvicida é como antibiótico." Segundo Soares, o larvicida Diflubezuron, que é brasileiro, atua inibindo a síntese de quitina (que dá origem à formação da casquinha do mosquito) e deve ser aplicado diretamente na água empoçada, mas não em recipientes e água potável.O novo larvicida não oferece riscos às pessoas e, segundo Soares, Ribeirão Preto foi escolhida para o teste devido ao seu clima quente, com pequeno inverno, e também pela densidade populacional. A metodologia da pesquisa ainda é desconhecida por funcionários da Saúde de Ribeirão, que deverão intensificar os trabalhos de combate ao Aedes aegypti no inverno."Agora é que não poderemos baixar a guarda, mas trabalhar forte para chegar sem criadouros em outubro, quando recomeçarão as chuvas", comentou Soares. Ainda existem 3.380 casos suspeitos de dengue em Ribeirão, aguardando os resultados de exames laboratoriais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.