Rio corre risco de surto de dengue

A cidade do Rio de Janeiro registrou 327 novos casos de dengue apenas nos primeiros 14 dias de janeiro, chegando próximo do total de vítimas notificadas em todo o mês de janeiro do ano passado. Os números foram divulgados hoje pela Secretaria Municipal de Saúde, que fez um alerta para o risco de a cidade sofrer um grande surto da doença este ano."Estamos vivendo um momento perigoso que pode repetir grandes surtos da doença, como o que ocorreu em 1991. Por isso, queremos que os profissionais de saúde fiquem mais atentos para os sintomas da dengue e que a população participe do controle da doença", afirmou o subsecretário de Saúde, Mauro Marzochi.O maior perigo apontado pelos técnicos da secretaria é o crescimento do número de casos do vírus tipo 3, que entrou no País no ano passado. Reincidência - A preocupação se justifica porque as pessoas que já foram contaminadas alguma vez pelos tipos 1 ou 2 têm mais chances de desenvolver dengue hemorrágica - o tipo mais virulento e perigoso da doença. No ano passado, dos cerca de 25 mil casos registrados no Rio, 255 foram de dengue hemorrágica; 8 pessoas morreram.Ainda não há um levantamento mostrando qual o total (dos 327 novos registros no início do ano) de casos do tipo 3, mas a expectativa é que o porcentual seja grande. Em uma amostra de 14 casos analisados em dezembro do ano passado, 13 foram identificados como dengue 3. Alerta - Os técnicos da secretaria temem que 2002 repita o surto ocorrido em 1991, quando o tipo 2 começou a ser notificado na cidade. Naquele ano, houve registro de 51 mil casos, o dobro do ano passado. Um indício de que isso pode acontecer é o crescimento inesperado do número de casos em janeiro - tradicionalmente, os meses que concentram o maior número de casos são abril e maio. "Podemos estar repetindo exatamente o que aconteceu em 1991. É por isso que queremos que a população fique atenta", disse o subsecretário.A Secretaria de Saúde voltou a lembrar que a grande maioria dos focos da dengue é de origem caseira e podem ser evitados facilmente. Para combater o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, os técnicos aconselham que os moradores evitem deixar água acumulada em casa e pulverizem as plantas com uma solução de água sanitária.O levantamento da secretaria mostrou ainda que os novos casos continuam concentrados na zona norte da cidade. O bairro campeão de dengue foi Bonsucesso, com 44 novas vítimas, seguido por Ramos e Manguinhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.