Rio cria modelo para 'caçar inadimplentes'

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro instituiu modelo diferenciado para ir à caça dos inadimplentes. Para dar celeridade à cobrança de candidatos e partidos, criou cartório exclusivo para julgar casos de multas eleitorais inscritos na dívida ativa da União. A iniciativa é pioneira.

, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2010 | 00h00

O cartório começou a funcionar em outubro de 2007. "Ao concentrar tudo aqui, padronizamos procedimentos. Os funcionários, ao lidar só com esse tipo de processo, se especializam. O resultado é mais agilidade", explica a chefe do cartório, Regina Nascimento, O cartório do Rio tem R$ 4,5 milhões em débitos a receber. "Nosso objetivo não é arrecadatório. Queremos devolver credibilidade às decisões dos juízes e acabar com a sensação de impunidade", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.