Rio decide dobrar quantidade de fogos para réveillon

A festa de réveillon na Praia de Copacabana pode recuperar este ano o brilho pelo qual ficou conhecida em todo o mundo. Depois de um espetáculo pirotécnico frustrante no ano passado, quando os fogos passaram a ser lançados de balsas atracadas no mar por motivos de segurança, a prefeitura decidiu dobrar o número de embarcações e a quantidade de fogos. Já estão confirmados os shows dos cantores Jorge Ben Jor, Sandra de Sá e do grupo Cidade Negra.O tema da festa será o pentacampeonato da seleção brasileira. Telões exibirão todos os gols marcados pelo Brasil em Copas desde 1958. O gol de Ronaldinho no canto da trave do goleiro alemão Oliver Kahn dará início à contagem regressiva para a meia-noite. O céu será tomado por fogos com as cores dos times de futebol. A grande novidade da festa serão fogos de 16 polegadas de diâmetro, nunca lançados antes no Brasil. O artefato tem alcance de 1.200 metros de altura e 650 metros de raio.Os fogos também tomarão formas como as já conhecidas paineiras, borboletas, e as carinhas sorrindentes (Smile). Haverá ainda um "coração carioca", formado por dois corações sobrepostos. "Ele representa a paixão pelo Rio de Janeiro, é uma homenagem à cidade", explica André Lanza, dono da empresa curitibana Lanza Efeitos Especiais, que ganhou a licitação para fazer o show de fogos.A tradicional cascata de fogos do Hotel Le Meridien está em fase de aprovação pelo Corpo de Bombeiros e a Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (Dfae) da Polícia Civil. Pela primeira vez, haverá uma cascata na murada do Forte de Copacabana.O público - estimado em 2 milhões de pessoas para este ano - não terá de volta a sensação de "chuva de fogos", observada em outros anos, quando os artefatos eram lançados da areia, mas a prefeitura decidiu aproximar as balsas. Em vez de ficarem a 400 metros da praia, elas estarão a cerca de 250 metros de distância da areia. A idéia é que o público possa ouvir o som da explosão dos fogos.O secretário municipal de Turismo, José Eduardo Guinle, disse que a prefeitura está se empenhando para recuperar a "exuberância" do réveillon de Copacabana. Por conta de um acidente com os fogos, na virada do ano de 2000 para 2001, que deixou um morto e 49 feridos, o lançamento dos fogos foi transferido para o mar. Além de balsas esparsas (somente quatro) e distantes da areia, os organizadores haviam apostado num "efeito piromelódico", que uniria as luzes dos fogos com músicas. Não deu certo."Era a primeira vez que se lançavam fogos de balsas no Rio e os cuidados tiveram de ser acima do necessário. Estamos retomando o brilho da festa", disse. O revéillon de Copacabana está orçado em R$ 3,5 milhões - R$ 1,2 milhão desse total sairá dos cofres públicos. O restante será rateado entre empresas patrocinadoras do réveillon.A prefeitura vai instalar ainda outros oito palcos na orla carioca. Estão previstos shows nas praias de Ipanema, do Flamengo, da Barra da Tijuca, em Guaratiba e Sepetiba, e nas ilhas do Governador e de Paquetá. A associação de moradores do Flamengo promete levar o espetáculo de fogos nas balsas também para aquela praia, o segundo local em concentração de público depois de Copacabana.

Agencia Estado,

28 de novembro de 2002 | 16h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.