Rio estuda manter Pressão Máxima por tempo indeterminado

A operação Pressão Máxima de combate ao tráfico de drogas pode se tornar permanente. ?Essa operação é o prosseguimento da Asfixia, que foi a primeira etapa. Já temos outra preparada. Não é algo isolado. Pode se tornar permanente?, disse nesta sexta-feira o secretário estadual de Segurança Pública, Anthony Garotinho, ao fazer um balanço da primeira semana de trabalhos. Até hoje, quinto dia da ação, 78 pessoas foram sido presas, por tráfico de drogas, e quatro morrido em confronto com a polícia, que apreendeu 364 quilos de maconha, 3,5 quilos de cocaína, 31 armas de fogo e 18 granadas. Um PM foi ferido sem gravidade.O secretário informou que, a partir deste sábado, haverá mudanças no método de atuação das polícia estaduais. Ele não quis adiantar quais para não atrapalhar a ação. O secretário disse não ter ficado com medo por causa de pichações com ameaças contra ele. ?É natural que eles fiquem incomodados e não alegres com nossa atuação", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.