Rio gasta R$ 1 mi com reparo de estátuas

''Drummond no Calçadão'', em Copacabana, perdeu óculos sete vezes

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2009 | 00h00

A Prefeitura do Rio gasta quase R$ 1 milhão por ano com manutenção e reparo dos monumentos e espaços públicos. A estátua do poeta Carlos Drummond de Andrade, no calçadão de Copacabana, se tornou símbolo da difícil tarefa de proteger o mobiliário urbano: sete óculos foram arrancados e apenas dois recuperados. Em agosto do ano passado, a estátua Drummond no Calçadão foi adotada pela Essilor, uma fabricante de lentes para óculos, que gasta R$ 3 mil em reparos toda vez que o monumento é atacado. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente informou que a empresa instalará até junho uma câmera para vigiá-la. Em contrapartida, a empresa poderá fazer publicidade na estátua a partir do próximo mês. A parceria é possível graças ao Programa de Adoção de Espaços Públicos, existente há 21 anos. A adesão é baixa. Apenas 191 dos quase 3 mil monumentos e áreas verdes estão patrocinados. O vandalismo contrasta com o carinho que turistas e cariocas demonstram pela estátua, inaugurada em 2002. O monumento se tornou ponto de parada obrigatória para fotos. O charme do poeta em bronze, sentado no concreto revestido por granito, pode estar no oceano, como cenário, ou no verso "no mar estava escrita uma cidade", grafado no banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.