Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Rio Grande do Sul lança plano para reabrir economia e flexibilizar distanciamento social

Ideia do governo é liberar serviços a partir de dados sobre avanço do novo coronavírus e capacidade do sistema de saúde

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2020 | 23h37

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), divulgou nesta terça-feira, 21, um plano para implementar um distanciamento social controlado no Estado a partir de maio. Na prática, a ideia é instituir um sistema de classificação das regiões gaúchas conforme o avanço da pandemia do novo coronavírus e a capacidade do sistema de saúde. Assim, o governo poderá definir quais serviços poderão funcionar em cada região. 

O comércio e os serviços não-essenciais foram fechados no Estado no dia 1º de abril. Na semana passada, o governador instituiu um novo decreto que flexibilizou as medidas para os municípios que não integram a região metropolitana de Porto Alegre. Ficou nas mãos dos prefeitos a decisão de reabrir ou não o comércio. Para funcionar, os estabelecimentos precisam cumprir uma série de exigências de distanciamento e higiene.

A capital e a região metropolitana ficaram de fora da flexibilização porque têm alta incidência da covid-19. O local agrega 60% dos infectados, apesar de concentrar 38% da população do Estado. Até esta terça-feira, o Rio Grande do Sul contabilizava 918 casos e 27 óbitos em 100 municípios. 

O plano do governo gaúcho é dividir o Estado em nove regiões. Cada uma será monitorada de forma constante conforme o andamento da epidemia e a capacidade da rede de saúde de enfrentar o vírus. As regiões serão classificadas por um sistema de cores — verde, amarela, laranja e vermelha — que variam conforme o risco. A classificação vai determinar quais atividades poderão funcionar e com quais restrições.

Nos próximos dias, o governo vai definir como será a relação entre o nível de risco e a permissão para o funcionamento das atividades. Leite apresentou o planejamento para um grupo formado por representantes do Legislativo e do Judiciário, entidades de diferentes setores, hospitais, universidades e comitês de apoio ao gabinete de crise. Agora, o governo aguarda sugestões para finalizar o plano. As contribuições podem ser encaminhadas para o e-mail distanciamentocontrolado@seplag.rs.gov.br até esta quinta-feira, 23.

Como justificativa para a elaborar o plano de distanciamento social controlado, o governo alega que agora há um histórico do comportamento do vírus no Estado, uma maior base de dados e um sistema de controle de leitos. Um estudo que está sendo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas também embasa as decisões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.